EUA. Indústria cai para piores níveis desde 2009

Dados também refletiram uma forte queda no sub-índice de novos pedidos

A atividade do setor industrial norte-americano caiu para o seu pior nível desde 2009, quando a maior economia do mundo ainda estava a meio da Grande Recessão posterior à crise financeira desencadeada pela queda do Lehman Brothers.

Assim se constata no índice ISM manufatureiro que em novembro registou uma contração da atividade. No último mês, o índice baixou para os 48,6 pontos, sendo que em outubro já tinha atingido 50,1 pontos, o nível mais baixo desde junho 2009.

Este dado surpreendeu os economistas que estimavam uma melhoria até aos 50,5 pontos.

Os dados também refletiram uma forte queda no sub-índice de novos pedidos, que caiu quatro pontos em novembro até aos 48,9 pontos, o nível mais baixo em três anos.

Um dos poucos positivos foi registado pela componente de emprego, que continuou a melhorar até aos 51,3 pontos no último mês.

O abrandamento da atividade industrial norte-americana surge pouco antes da decisão da Fed relativa a uma possível subida que seria a primeira desde dezembro de 2008 os tipos de juros, tal como sugeriu nas últimas aparições a responsável do organismo Janet Yellen.

Não obstante, o banco central norte-americano deixou bem claro que adotaria tal decisão sempre e quando os dados macroeconómicos recebidos sustentem o movimento.

Agora, a entrada da atividade industrial em contração em novembro poderia esfriar os ânimos da Fed na sua intenção de subir o preço do dinheiro, fixado entre 0% e 0,25% desde dezembro de 2008.

OJE

 

Recomendadas

Reserva Federal volta a ‘dar a mão’ a Wall Street

Tal como sucedeu na semana passada, a Fed teve de insistir na diminuição do ritmo da subida das taxas de juro para alavancar um dia que acabou por ser positivo. O mercado está a precisar da atenção do banco central.

Reserva Fedrela diz que aumento das taxas de juro pode desacelerar em dezembro

O presidente da Reserva-Feral norte-americana, Jerome Powell, considerou esta quarta-feira, ser provável que o aumento das taxas de juro possa desacelerar já em dezembro. Mas os valores vão permanecer altos.

Energia dá impulso à Bolsa de Lisboa. Europa fecha no verde em dia marcado pela inflação

O mercado esperava que a inflação do IPC na zona do euro desacelerasse de 10,6% em Outubro para 10,4% em Novembro (variação anual). A leitura real mostrou uma desaceleração para 10,0% num ano. Os juros soberanos sobem. As ações também.