EUA: Inflação em novembro iguala máximo de 39 anos ao chegar aos 6,8%

Apesar de alguns analistas chegarem a temer uma leitura acima dos 7%, a taxa de inflação em novembro chegou a máximos de 1982 e registou a o nono mês consecutivo acima do valor alvo de 2% definido pela Reserva Federal norte-americana.

10 – Estados Unidos

A inflação nos EUA continua a subir e atingiu máximos de 39 anos, segundo os dados divulgados esta sexta-feira pelo Departamento do Trabalho norte-americano. A taxa homóloga de variação do índice de preços no consumidor atingiu os 6,8% em novembro, acima das expectativas do mercado, que o Dow Jones colocava nos 6,8%, e dos 6,2% registados no mês passado.

Numa análise em cadeia, o indicador subiu 0,8%, neste que foi o nono mês consecutivo em que a taxa de inflação se situou acima do alvo de 2% definido pela Reserva Federal dos EUA. Desde junho de 1982 que os preços não subiam a um ritmo tão alto em comparação com o mesmo período do ano passado.

Excluindo a volatilidade dos bens alimentares e energéticos, o indicador registou uma variação de 4,9%, o que também supera os 4,6% verificados em outubro.

As componentes que mais contribuíram para este aumento foram as ligadas aos custos energéticos, que subiram 33,3% em novembro, depois de terem acelerado 30% no mês anterior, isto em termos homólogos. Também o mercado de viaturas usadas registou um forte aumento de preços, com uma variação de 31,4%, enquanto que os carros novos encareceram 11,1%.

Os custos com alojamento também registaram uma forte subida, aumentando 3,8%. Esta rubrica representa cerca de um terço do total do cabaz desenhado para o cálculo do índice de preços no consumidor.

Os mercados reagiram positivamente às notícias, com alguns investidores a respirarem de alívio depois de temerem que a leitura de novembro pudesse mesmo ultrapassar os 7%. Este fenómeno foi durante algum tempo classificado como transitório pelas autoridades monetárias norte-americanas, mas a persistência de estrangulamentos nas cadeias de fornecimento e de dificuldades nas redes logísticas globais têm vindo a alterar esta noção, com os dados de novembro a darem mais força à ideia de que a inflação se manterá elevada durante mais algum tempo.

Recomendadas

OE2022. Pagamentos em atraso sobem para 778,1 milhões até agosto

Os pagamentos em atraso das entidades públicas atingiram os 778,1 milhões de euros em agosto, um aumento em 157,6 milhões de euros face ao mesmo período do ano anterior, avançou esta segunda-feira a Direção-Geral do Orçamento (DGO).

OE2022. Receita fiscal do Estado aumenta 22,8% até agosto para 33,5 mil milhões

A receita fiscal do Estado aumentou 22,8% até agosto face ao mesmo período do ano passado, totalizando 33.511,5 milhões de euros, segundo a Síntese da Execução Orçamental divulgada esta segunda-feira.

OE2022. Resposta à Covid-19 custou ao Estado 2.835,2 milhões até agosto

A resposta à covid-19 custou 2.835,2 milhões de euros até agosto, devido à perda de receita em 464,5 milhões de euros e ao aumento da despesa em 2.370,7 milhões, avançou esta segunda-feira a Direção-Geral do Orçamento (DGO).
Comentários