EUA, Japão e Coreia do Sul preparam “resposta robusta” a disparo de míssil norte-coreano (com áudio)

O Comando Ásia-Pacífico dos EUA condenou o disparo do míssil balístico e garantiu que os “compromissos de Washington com a defesa do Japão e da Coreia do Sul continuam inabaláveis”.

Os Estados Unidos estão a preparar com o Japão e a Coreia do Sul uma “resposta robusta” ao lançamento hoje de um míssil balístico norte-coreano sobre o Japão, afirmou a Casa Branca.

O conselheiro para a Segurança Nacional dos EUA, Jack Sullivan, encontrou-se separadamente com os homólogos sul-coreano e japonês para desenvolver uma “resposta internacional apropriada e robusta” e reafirmar o “compromisso de ferro” dos Estados Unidos na defesa do Japão e da Coreia do Sul, disse a porta-voz Adrienne Watson.

O Comando Ásia-Pacífico dos EUA condenou o disparo do míssil balístico e garantiu que os “compromissos de Washington com a defesa do Japão e da Coreia do Sul continuam inabaláveis”.

“Os Estados Unidos condenam estas ações e apelam à Coreia do Norte para que se abstenha de novos atos ilegais e desestabilizadores”, acrescentou.

O Presidente da Coreia do Sul, Yoon Suk-yeol, já prometera “uma resposta firme”.

O disparo do míssil, que sobrevoou o norte do Japão, desencadeou os primeiros alertas em cinco anos para moradores, aos quais foi pedido para abandonarem edifícios, de acordo com o governo japonês.

Obrigou também à suspensão temporária da circulação ferroviária na região de Aomori e na ilha de Hokkaido, no norte do arquipélago, acrescentou.

As autoridades japonesas adiantaram que o projétil terá caído no oceano Pacífico.

A Coreia do Sul também detetou o lançamento norte-coreano, em direção às águas orientais do norte.

Este disparo é a quinta ronda de testes de armas da Coreia do Norte nos últimos dez dias, numa aparente resposta aos exercícios militares entre Japão, Coreia do Sul e Estados Unidos, decorridos no final do mês passado, pela primeira vez em cinco anos.

Pyongyang considera os exercícios militares liderados pelos EUA na região, particularmente com a Coreia do Sul, como uma preparação para uma invasão, embora Washington e Seul tenham negado repetidamente qualquer intenção de atacar o Norte.

As duas Coreias continuam tecnicamente em guerra, uma vez que o conflito de 1950-53 terminou com a assinatura de um armistício e não de um tratado de paz.

Recomendadas

Mundial2022: Qatar condena campanha “infundada” em resposta a críticas do PE

O Qatar condenou a resolução adotada na semana passada pelo Parlamento Europeu (PE) criticando a sua escolha como sede do Mundial de futebol em curso e denunciou uma campanha “infundada” assente em “acusações falsas e informação enganosa”.

Covid-19: Human Rights Watch pede respeito pelos direitos de manifestantes na China

A Human Rights Watch defendeu hoje que o Governo chinês deve respeitar os direitos de todos aqueles que protestam pacificamente contra as restrições no combate à pandemia de covid-19.

Sociedade civil são-tomense pede investigação internacional a “triste episódio” com quatro mortos

A sociedade civil são-tomense pediu hoje aos parceiros de cooperação uma “investigação internacional urgente” sobre o “triste episódio” do ataque ao quartel militar, na sexta-feira, em que morreram quatro pessoas, alegadamente após “agressão e tortura”.
Comentários