EUA multam Deutsche Bank em 238 milhões

O banco alemão Deutsche Bank terá de pagar uma multa de 238 milhões de euros ao Departamento de Serviços Financeiros de Nova Iorque e à Reserva Federal dos EUA (Fed) por realizar operações financeiras entre 1999 e 2006 em representação de países e entidades sujeitas a sanções nos EUA, como Sudão, Líbia, Irão, Birmânia e […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O banco alemão Deutsche Bank terá de pagar uma multa de 238 milhões de euros ao Departamento de Serviços Financeiros de Nova Iorque e à Reserva Federal dos EUA (Fed) por realizar operações financeiras entre 1999 e 2006 em representação de países e entidades sujeitas a sanções nos EUA, como Sudão, Líbia, Irão, Birmânia e Síria.

Assim, o Deutsche Bank comprometeu-se a estabelecer um vigilante independente para as suas operações e, ainda que a maioria dos empregados que participaram nesta “conduta ilegal” já não trabalhe na entidade, a despedir os seis funcionários implicados e proibir que outros três trabalhem em operações que impliquem empresas norte-americanas.

Concretamente, o banco alemão pagará 184 milhões de euros ao Departamento de Serviços Financeiros de Nova Iorque e 53 milhões de euros à Reserva Federal.

A Reserva Federal considera que a entidade não tinha os procedimentos e as políticas necessárias para garantir que as atividades realizadas nas suas instalações fora dos EUA cumpriam a legislação norte-americana em matéria de sanções.

O acordo põe fim à investigação posta em marcha pela aplicação de métodos e práticas “não transparentes” desde pelo menos 1999 até 2006 para levar a cabo mais de 27.200 operações por valores superiores a 10.006 milhões de euros em nome de entidades financeiras e outras empresas desses países.

OJE

Recomendadas

Spotify lança podcasts em vídeo a nível global

The Big Ones destaca semanalmente as inovações e movimentos estratégicos das empresas que lideram a nova economia.

“2023 será um ano de crescimento nos mercados externos”

O Grupo VAA tem como objetivo globalizar as suas duas marcas principais, Vista Alegre e Bordallo Pinheiro, e identificou sete mercados estratégicos onde está a apostar, explica Nuno Barra.

“Empresas arriscam sozinhas a entrada em mercados pela fraca dinamização e falta de apoio”

Mais de mil empresas participaram no Portugal Exportador no dia 23, orientado para a estratégia de internacionalização.