EUA. Republicanos na frente para Câmara Baixa mas Democratas ainda na corrida

Ao terceiro dia de contagem de votos para as eleições intercalares norte-americanas, os Republicanos ainda lideram a corrida pela maioria na Câmara de Representantes, mas perderam ‘velocidade’ nas últimas 24 horas para os Democratas.

4 – Estados Unidos

Com 435 cadeiras em jogo e a contagem de votos ainda em andamento, as projeções do jornal Politico colocam os Republicanos à frente, concedendo-lhes 211 assentos e 192 aos Democratas, sendo 218 necessários para formar uma maioria.

Já as projeções do The New York Times, por exemplo, apontam 211 assentos para os Republicanos e 194 para os Democratas.

À medida que a contagem de votos continua, particularmente em estados que aderiram massivamente ao voto por correspondência, os Democratas continuam a vencer a maioria das disputas mais apertadas, o que os mantém na corrida pela maioria na câmara baixa do Congresso norte-americano.

No momento em que estão por atribuir 32 assentos na Câmara de Representantes, uma análise do Politico mostra que nem todos esses lugares estão realmente em dúvida, uma vez que, em alguns deles, um partido é claramente favorecido, e os Democratas provavelmente vencerão mais dessas corridas do que os Republicanos.

Contudo, isso poderá não ser suficiente para os ‘azuis’ chegarem à maioria, tendo em conta que apenas sete assentos separam os Republicanos dos tão ambicionados 218 lugares, segundo as projeções do Politico.

Já a corrida para o Senado está mais renhida, com os Republicanos a conseguirem 49 assentos, contra 48 assegurados pelos Democratas, num total de 100 assentos em disputa.

Os três lugares ‘disponíveis’ estão a ser disputados no Arizona, Nevada e Geórgia, apesar deste último ser responsável por arrastar o processo eleitoral até dezembro, quando o estado irá novamente a votos para nomear um senador para o Congresso, depois de nenhum dos candidatos ter atingido a marca de 50%.

O senador em exercício, o reverendo democrata Raphael Warnock, enfrentará novamente a ex-estrela de futebol americano Herschel Walker, apoiado por Donald Trump, desta vez numa votação sem um terceiro candidato, o que pode ser decisivo para determinar a maioria na câmara alta do Congresso.

A história repete-se, uma vez que há dois anos, quando em simultâneo com as eleições presidenciais também se disputavam alguns lugares para o senado, recaiu igualmente sobre o estado da Geórgia o controlo da câmara alta do Congresso, que acabou por ficar nas mãos dos democratas, com um empate a 50 lugares e o desempate da vice-Presidente Kamala Harris.

O destino do Senado resume-se a estes três estados, já que os Republicanos precisariam de conquistar mais duas cadeiras Democratas para recuperar a maioria na câmara alta.

As eleições intercalares norte-americanas, realizadas na terça-feira, determinarão qual o partido que controlará o Congresso nos dois últimos anos do mandato do Presidente Joe Biden (Democrata), estando também em jogo 36 governos estaduais e vários referendos estaduais a medidas sobre questões-chave, incluindo aborto e drogas leves.

Em disputa estão todos os 435 lugares na Câmara dos Representantes, onde os Democratas atualmente têm uma estreita maioria de cinco assentos, e ainda 35 lugares no Senado, onde os Democratas têm uma maioria apenas graças ao voto de desempate da vice-presidente Kamala Harris.

Recomendadas

NATO defende que Putin está a “usar inverno como arma de guerra”

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, acredita que a Rússia vai continuar a atacar a rede elétrica da Ucrânia, bem como a infraestrutura de gás e serviços básicos para o povo.

Chefes da diplomacia da NATO reúnem-se em Bucareste para debater guerra na Ucrânia

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO vão reunir-se na terça e quarta-feira em Bucareste, capital da Roménia, para debater o aumento do apoio à Ucrânia, a resiliência da Aliança e os “desafios colocados pela China”.

Deputada do PSD Paula Cardoso defende mais sanções para punir crimes sexuais em guerra

A deputada do PSD Paula Cardoso defendeu hoje o reforço de meios internacionais para julgar responsáveis por violência sexual em cenários de conflito e o uso de outro tipo de penalidades, como sanções económicas, para proporcionar justiça às vítimas. 
Comentários