Euribor em máximos de uma década

O que pode fazer para cobrir a subida dos juros do seu empréstimo à habitação?

Com o escalar das taxas Euribor, as famílias vêem o seu orçamento a cada dia que passa mais apertado, já que estas taxas estão associadas aos créditos à habitação. Desde que o Banco Central Europeu decidiu controlar a inflação, com o aumento das taxas de juros dos empréstimos concedidos esta taxa de referência associada aos empréstimos à habitação não pára de valorizar.

Contudo, conseguimos cobrir o nosso risco através de instrumentos financeiros criados com esse propósito. Face a um aumento das taxas de juro, o apetite pelo risco diminui, com a consequente menor procura por ativos como as ações e obrigações.

Quando há um aumento das taxas de juro, existe inevitavelmente uma desvalorização do valor das obrigações e vice-versa. Por exemplo, quando a taxa de juro valoriza 1%, uma obrigação a 10 anos com uma duração de 9 anos irá desvalorizar aproximadamente 9%. Se a taxa de juro subir 2%, o valor da obrigação deverá desvalorizar aproximadamente 18%.

 

Correlação inversa entre o preço das obrigações e o rendimento das mesmas. Fonte: xStation 5

 

Uma das formas de fazer cobertura de risco ao crédito à habitação é através de ETFs que façam o inverso das obrigações. Ou seja, quando existe um aumento das taxas de juro, haverá uma valorização do preço do ETF. Por exemplo, quando a taxa de juro valoriza 1%, o ETF que replique o inverso das obrigações a 10 anos irá valorizar aproximadamente 10%.

Na XTB, é possível investir, por exemplo, no DSB.FR: tem uma alavancagem de 2x, ou seja, quando as obrigações da Alemanha a 10 anos desvalorizam 10%, o ETF valoriza aproximadamente 20%.

Neste momento em que o Banco Central Europeu está numa tendência galopante de aumentar as taxas de juro, quem tem um crédito à habitação deve fazer cobertura de risco neste sentido.

Exemplo: Crédito à habitação de 100 mil euros

Quando a taxa de juro passa de 1% para 5%, os juros passam de 1000 para 5000 euros.

Contudo, se investir 5000 euros no DSB.FR, quando a taxa de juro passa de 1% para 5%, as obrigações a 10 anos desvalorizam 40%; como o ETF tem uma alavancagem de 2x, o mesmo irá valorizar 80%. Assim, com um investimento de 5000 euros, tem um ganho esperado de 4000 euros.

Em suma, no crédito à habitação tem um potencial de perda de 4000 euros (5000 – 1000 euros). Na cobertura de risco (compra de ETF), tem um potencial de ganho de 4000 euros (5000 euros x 80%). Conseguimos ter desta forma uma cobertura de risco perfeita no crédito à habitação face às subidas da taxa de juro futuras.

 

Comportamento do ETF DSB.FR nos últimos 4 anos. Fonte: xStation 5

 

Através da análise técnica, conseguimos identificar que até 2020, quando as taxas de juros na zona euro estavam em terreno negativo, o ETF estava numa tendência negativa. Já em 2020, com o BCE a aumentar as suas políticas monetárias e, consequentemente, um esperado aumento da inflação, o mercado já estava a entrar numa tendência de lateralização. Em 2022, confirmou-se assim um período de inflação e como consequência um aumento das taxas de juros. Conseguimos, assim, identificar uma terceira fase do ETF – um período de valorização começa.

Conheça melhor a inflação e como proteger as suas poupanças neste e-book gratuito.

 

Fonte: BCE

Concluímos assim, que podemos cobrir a nossa exposição à variação das taxas de juros com uma exposição a instrumentos financeiros que repliquem o inverso do preço das obrigações de longo prazo.

 

Este material é uma comunicação de marketing na aceção do artigo 24.º, n.º 3, da Diretiva 2014/65 / UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 15 de maio de 2014, sobre os mercados de instrumentos financeiros e que altera a Diretiva 2002/92 / CE e Diretiva 2011/61/ UE (MiFID II). A comunicação de marketing não é uma recomendação de investimento ou informação que recomenda ou sugere uma estratégia de investimento na aceção do Regulamento (UE) n.º 596/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho de 16 de abril de 2014 sobre o abuso de mercado (regulamentação do abuso de mercado) e revogação da Diretiva 2003/6 / CE do Parlamento Europeu e do Conselho e das Diretivas da Comissão 2003/124 / CE, 2003/125 / CE e 2004/72 / CE e do Regulamento Delegado da Comissão (UE ) 2016/958 de 9 de março de 2016 que completa o Regulamento (UE) n.º 596/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho no que diz respeito às normas técnicas regulamentares para as disposições técnicas para a apresentação objetiva de recomendações de investimento, ou outras informações, recomendação ou sugestão de uma estratégia de investimento e para a divulgação de interesses particulares ou indicações de conflitos de interesse ou qualquer outro conselho, incluindo na área de consultoria de investimento, nos termos do Código dos Valores Mobiliários, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 486/99, de 13 de Novembro. A comunicação de marketing é elaborada com a máxima diligência, objetividade, apresenta os factos do conhecimento do autor na data da preparação e é desprovida de quaisquer elementos de avaliação. A comunicação de marketing é elaborada sem considerar as necessidades do cliente, a sua situação financeira individual e não apresenta qualquer estratégia de investimento de forma alguma. A comunicação de marketing não constitui uma oferta ou oferta de venda, subscrição, convite de compra, publicidade ou promoção de qualquer instrumento financeiro. A XTB, S.A. – Sucursal em Portugal não se responsabiliza por quaisquer ações ou omissões do cliente, em particular pela aquisição ou alienação de instrumentos financeiros. A XTB não aceitará a responsabilidade por qualquer perda ou dano, incluindo, sem limitação, qualquer perda que possa surgir direta ou indiretamente realizada com base nas informações contidas na presente comunicação comercial. Caso o comunicado de marketing contenha informações sobre quaisquer resultados relativos aos instrumentos financeiros nela indicados, estes não constituem qualquer garantia ou previsão de resultados futuros. O desempenho passado não é necessariamente indicativo de resultados futuros, e qualquer pessoa que atue com base nesta informação fá-lo inteiramente por sua conta e risco.

 

Este conteúdo patrocinado foi produzido em colaboração com a XTB.

Recomendadas

Sindicato diz que contraproposta de aumentos salariais da Altice fica aquém do pretendido

A proposta da Altice consiste num aumento de 2% para valores base abaixo de 1.300 euros, garantindo um vencimento mínimo de 800 euros e de 1% para valores base entre os 1.300 euros e os 2.300 euros.

Anchorage Digital renova escritório do Porto porque “equipa em Portugal tem crescido muito”

A tecnológica liderada por Diogo Mónica, que está a comemorar cinco anos no negócio dos criptoativos, vai reabrir as portas do espaço que tem na cidade Invicta na próxima semana.

H&M diz ser cedo para saber se despedimentos afetam Portugal

“É muito cedo para dizer como e se afetará as funções centrais em Portugal”, disse fonte do grupo sueco, em resposta escrita à Lusa.
Comentários