Euro recupera e fica acima dos 1,13 dólares

Pelas 17:40 (hora de Lisboa), o euro seguia a 1,1341 dólares, quando na terça-feira, quase pela mesma hora, negociava a 1,1308 dólares.

O euro valorizou-se hoje, recuperando das perdas de terça-feira, e estabilizou acima dos 1,13 dólares.

Pelas 17:40 (hora de Lisboa), o euro seguia a 1,1341 dólares, quando na terça-feira, quase pela mesma hora, negociava a 1,1308 dólares.

A preocupação nos mercados com os efeitos da variante ómicron, da covid-19, tem dominado os investidores.

Apesar de na maioria dos países europeus as medidas não terem implicado o fecho da vida pública, temem-se as repercussões no mercado laboral das medidas de quarentena dos trabalhadores.

A covid-19 provocou mais de 5,41 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

 

Divisas……………hoje………….terça-feira

 

Euro/dólar…………1,1341……………..1,1308

 

Euro/libra…………0,84080……………0,84170

 

Euro/iene………….130,35……………..129,78

 

Dólar/iene…………114,94……………..114,76

Recomendadas

Portugal defende “acordo equilibrado” para gestão de ‘stocks’ pesqueiros

Portugal defendeu na segunda-feira em Bruxelas um “acordo equilibrado” para a gestão de ‘stocks’ pesqueiros entre a União Europeia, Reino Unido e a Noruega, informou hoje o Ministério da Agricultura e Alimentação. Em comunicado, o Ministério indica que no Conselho Agricultura e Pescas da União, que decorreu em Bruxelas na segunda-feira foram discutidas as orientações […]

Revista de imprensa nacional: as notícias que estão a marcar esta terça-feira

“Salário mínimo vai perder poder de compra pela primeira vez desde 2013”; “Famílias com prazo-limite para tratar das partilhas de terrenos”; “Seleção procura lugar na final four antes do anúncio dos convocados para o Mundial”

Marcelo “pessimista” teme efeitos de “discurso muito dramático” do BCE (com áudio)

Perante uma plateia de empresários portugueses em São Francisco, na noite de segunda-feira na Califórnia, hoje de madrugada em Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa assumiu, porém, também ele “uma análise pessimista” da conjuntura económica portuguesa nos próximos tempos, “por causa do mundo”.
Comentários