Euro regista ligeira valorização e segue acima de 1,05 dólares

Lisboa, 02 dez 2022 (Lusa) – O euro subiu hoje ligeiramente e mantinha-se a negociar acima de 1,05 dólares, após a divulgação de números melhores do que o previsto sobre a criação de emprego nos Estados Unidos.

Às 18:00 (hora de Lisboa), o euro seguia a 1,0555 dólares, acima do valor que tinha na quinta-feira a mesma hora (1,0539 dólares).

O Banco Central Europeu (BCE) fixou o câmbio de referência do euro em 1,0538 dólares.

A taxa de desemprego nos Estados Unidos permaneceu inalterada em 3,7% em novembro, mas a criação de emprego superou o esperado, com 263.000 novos postos de trabalho, indicou hoje o Departamento do Trabalho.

Estes dados indicam que o mercado de trabalho norte-americano continua sólido, mostrando resiliência, apesar das agressivas subidas das taxas de juro decididas pela Reserva Federal (Fed) nos últimos meses para abrandar a atividade económica e conter a inflação.

Na passada quarta-feira, o presidente da Fed, Jerome Powell, afirmou que o ritmo de subida das taxas de juro pode abrandar a partir da próxima reunião do banco central, dentro de duas semanas, mas considerou “provável” que os juros continuem em níveis altos durante algum tempo para travar de forma sustentável a inflação.

 

Recomendadas

Fed conseguiu o esperado milagre de agradar a Wall Street

No dia em que a Reserva Federal deu mostras de moderação no aumento das taxas de juro, o mercado de capitais respondeu pela positiva, como não podia deixar de ser – com o Nasdaq a comandar. Resta saber quanto tempo durará o momento.

EUA: Powell reconhece primeiros sinais de alívio na inflação, mas é “prematuro declarar vitória”

O presidente da Fed afastou cortes de juros este ano, embora admita que a inflação começa a dar sinais de abrandamento. O caminho ainda é longo e a ‘aterragem suave’ continua em cima da mesa, tal como uma taxa terminal abaixo de 5%.

EUA: Reserva Federal abranda ritmo de subida dos juros com mais 25 pontos base

O mercado já antecipava esta decisão, dado o abrandamento da inflação nos últimos meses, mas a mensagem da Fed tem sido agressiva, sinalizando que o processo está ainda longe de concluído.
Comentários