Euro sobe face ao dólar após acordo entre Bruxelas e Roma

A moeda única, que também subiu face à libra esterlina, beneficiou do acordo anunciado hoje em Bruxelas entre a Comissão Europeia e o Governo italiano sobre o orçamento de Itália para o próximo ano.

O euro registou hoje ganhos acentuados face ao dólar, após ter sido anunciado que a Comissão Europeia e o Governo italiano chegaram a acordo relativamente ao plano orçamental de Itália para 2019.

Às 18:15 (hora de Lisboa), o euro seguia a 1,1427 dólares, quando na terça-feira à mesma hora negociava a 1,1353 dólares.

A moeda única, que também subiu face à libra esterlina, beneficiou do acordo anunciado hoje em Bruxelas entre a Comissão Europeia e o Governo italiano sobre o orçamento de Itália para o próximo ano.

O ‘braço de ferro’ entre Bruxelas e Roma, que durava desde meados de outubro, chegou ao fim, após o Governo italiano ter cedido e proposto a redução do défice público de 2,4% para 2,04% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2019, com o objetivo de evitar um Procedimento por Défice Excessivo.

Divisas……….hoje……………..terça-feira

 

Euro/dólar……1,1427………………..1,1353

 

Euro/libra……0,90287………………0,89924

 

Euro/iene……..128,20……………….127,84

 

Dólar/iene…….112,18……………….112,60

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários