Euronews garante independência editorial após compra por fundo português com ligações à Hungria

Fundo português decidiu investir no canal noticioso europeu devido ao seu “tremendo potencial”.

A Euronews garante a sua independência editorial depois de uma sociedade portuguesa de capital de risco – a Alpac Capital, com ligações à Hungria – ter comprado 88% do capital da estação televisiva europeia. Esta participação era detida anteriormente pelo empresário egípcio Naguib Sawiris.

“Tenho todas as garantidas de independência editorial”, disse o presidente executivo da Euronews, Michael Peters ao jornal digital europeu “Politico”, sediado em Bruxelas.  O conselho editorial independente da empresa vai passar a incluir três pessoas escolhidas pelo novo dono.

A Euronews está presente em 440 milhões de lares em 160 países, qualificando-se como o “principal canal europeu de notícias”. Mensalmente, chega a 145 milhões de pessoas, 68% do total de lares na Europa.

Por sua vez, a Alpac Capital disse que não existem causas para preocupação sobre a “liberdade editorial” do canal noticioso, sediado em Lyon, França. “Decidimos investir na Euronews porque acreditamos no seu tremendo potencial e consideramos que é um ativo desvalorizada”, afirmou um porta-voz oficial do fundo ao “Politico”.

A Alpac Capital é controlada por Pedro Vargas David (filho do ex-eurodeputado do PSD, Mário David, e que agora é conselheiro político do primeiro-ministro da Hungria Viktor Orbán) e Luís Santos (filho do selecionador nacional Fernando Santos).

“Queremos estabelecer-nos fortemente em Bruxelas, como uma NBC ou CNN em Washington”, disse recentemente Pedro Vargas David ao “Expresso”.

O fundo está sediado em Lisboa, mas conta com escritórios na capital da Hungria, Budapeste, e também no Dubai, nos Emirados Árabes Unidos.

Segundo o “Politico”, a Alpac já recebeu capital de grandes empresas húngaras e o ministro dos Negócios Estrangeiros do país ajudou a promover o lançamento de um fundo da Alpac destinado a investimentos regionais em 2017.

A Alpac também já recebeu financiamento da agência internacional da Hungria, a EXIM, e também da energética MOL e do banco OTP Bank. Estas três empresas rejeitaram ter investido na Euronews, mas o “Politico” destaca que as três já contribuíram com financiamento para o fundo ‘East West’ da Alpac que visa o investimento em pequenas e médias empresas com potencial de crescimento em Portugal, na Hungria e em países vizinhos.

Outra das ligações destacadas pelo jornal é com a empresa de tecnologia húngara 4iG, que tem relações com o partido de Viktor Orbán, o Fidesz, segundo o jornal digital de Bruxelas. Pedro Vargas David faz parte do conselho de administração desta empresa, cuja maioria das receitas em 2020 tiveram origem em contratos com o Estado húngaro.

O “Politico” recorda um artigo do “Expresso” de 2018 onde Mário David dizia ter forjado amizade com Viktor Orbán há 26 anos (na altura), e que o seu aconselhamento era feito “pro bono”.

Recomendadas

Credit Suisse recompra dívida própria no montante de 3 mil milhões

O Credit Suisse anunciou que irá comprar 3 mil milhões de francos suíços (3.094 milhões de euros) de dívida própria até meados de novembro. Entretanto a agência de rating Moody’s prevê que o Credit Suisse vai fechar este ano com prejuízos de 3 mil milhões de dólares o que pressionará o seu rácio de capital CET1.

PremiumCaixaBI põe a mira nas PME para fusões e aquisições

A instabilidade na economia e nos mercados traz riscos, mas também oportunidades, abrindo a porta a mais fusões e aquisições. Esta é a visão do CaixaBI, que está a abordar empresas nacionais mais pequenas que queiram crescer cá dentro ou lá fora.

SITEMA saúda bom senso da TAP no recuo na compra da nova frota automóvel

A decisão inicial demonstra que “a TAP tem uma estrutura muito pesada, mas não graças aos trabalhadores”, e seria “incompreensível nos tempos que correm”, diz o sindicato.
Comentários