Europa apoia criação de comunidade política e quer combate à corrupção

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, manifestou hoje o apoio à criação da futura Comunidade Política Europeia, que será discutida em outubro, num Conselho Europeu informal, e reiterou a luta contra a corrupção.

“Subscrevo o apelo à criação de uma Comunidade Política Europeia – e nesse sentido apresentaremos as nossas ideias ao Conselho Europeu”, disse Von der Leyen, falando no seu terceiro discurso sobre o Estado da União Europeia (UE) perante o Parlamento Europeu.

A líder do executivo comunitário referiu ainda que a UE “está incompleta” sem os cidadãos dos Balcãs Ocidentais, Ucrânia, Moldávia e Geórgia.

“Vocês fazem parte da nossa família, o vosso futuro é connosco na União e a União não fica completa sem vocês”, sublinhou, acrescentando ainda a necessidade de “continuar a apoiar os países da Europa mesmo depois do processo de adesão”.

A criação de uma Comunidade Política Europeia foi lançada na presidência francesa do Conselho da UE com o objetivo de reforçar a cooperação entre o bloco e países vizinhos — incluindo os candidatos à adesão.

Ursula von der Leyen sublinhou também, no seu discurso, a importância da luta contra a corrupção: “Para sermos credíveis quando pedimos aos países candidatos que reforcem as suas democracias, também nós temos de erradicar a corrupção interna”.

Assim, a Comissão apresentará, em 2023, medidas para atualizar o quadro legislativo em matéria de luta contra a corrupção, incluindo o agravamento das sanções a “crimes como o enriquecimento ilícito, o tráfico de influência e o abuso de poder, para além dos crimes mais clássicos, como o suborno”.

A presidente da Comissão Europeia anunciou ainda que proporá “a inclusão da corrupção no regime de sanções em matéria de direitos humanos, o novo instrumento para proteger os nossos valores no estrangeiro”.

Recomendadas

Alterações climáticas. Terra aproxima-se do ‘ponto sem retorno’, diz primatologista Jane Goodall

“Sabemos o que devemos fazer. Quero dizer, temos as ferramentas. Mas deparamo-nos com o pensamento de curto prazo de ganho económico versus a proteção de longo prazo do meio ambiente para assegurar um futuro”, indicou a cientista que ficou conhecida pelo seu estudo pioneiro de seis décadas sobre chimpanzés na Tanzânia.

Ucrânia. UE considera “ilegais” referendos de anexação organizados por Moscovo

O chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, disse hoje que os “referendos” de anexação organizados por Moscovo nas regiões ucranianas foram “ilegais” e os resultados “manipulados”.

Ucrânia. Maduro acusa EUA e Europa de “suicídio económico” para punir a Rússia (com áudio)

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, acusou hoje os Estados Unidos e a Europa de optarem pelo “suicídio económico” com o propósito de punir Moscovo pela invasão da Ucrânia.
Comentários