Europa com investimento recorde em fintechs em 2018

No ano passado registaram-se 536 negócios na Europa, na ordem dos 34,2 mil milhões de dólares, segundo o relatório “Pulse of Fintech” elaborado pela consultora KPMG.

O investimento em fintech na Europa mais do que duplicou para 34,2 mil milhões de dólares (cerca de 30,4 mil milhões de euros) em 2018, quando tinha sido de apenas 12,2 mil milhões de dólares (cerca de 10,8 mil milhões de euros) no ano anterior, revela o último relatório “Pulse of Fintech” da consultora KPMG.

Dos 536 negócios registados no ‘Velho Continente’, sobretudo no primeiro semestre do ano passado, destacam-se as operações da WorldPay (11 mil milhões de euros), Nets (4,9 mil milhões de euros), iZettle (2 mil milhões de euros), Fidessa Group (1,9 mil milhões de euros) e IRIS Software Group (1,6 mil milhões de euros).

O acréscimo do investimento em empresas europeias deveu-se essencialmente ao dinamismo do mercado de fusões e aquisições e aos acordos de buyout. “As áreas de Inteligência Artificial e automação devem continuar a merecer grande atenção por parte dos investidores ao longo de 2019”, antecipa Nasser Sattar, head of Advisory da KPMG Portugal.

Em termo de segmentos de atividade, sobressaiu o regtech [tecnológicas da área regulatória e legal] – cujo investimento subiu para aproximadamente 3,3 mil milhões de euros (quando tinha sido apenas de 1,1 mil milhões de euros em 2017) – e desiludiu o blockchain – com um ligeiro recuo dos anteriores 4,3 mil milhões de euros para 4 mil milhões de euros.

“Além dos novos modelos de negócio, as crescentes obrigações regulatórias e legais que emanam da PSD2 [Diretiva Europeia de Serviços de Pagamentos], RGPD [Regulamento Geral da Proteção de Dados] e outras regulamentações, estão a impactar tanto os players estabelecidos quanto as fintech emergentes”, disse Anton Ruddenklau, um dos responsáveis globais pela área fintech da KPMG.

O estudo da consultora refere também que, em termos globais, o investimento em fintechs disparou 120%, em termos homólogos, e atingiu os 111,8 mil milhões de dólares (aproximadamente 99 mil milhões de euros). De acordo com a análise dos especialistas desta multinacional, a América Latina foi “um alvo apetecível para os investidores” em 2018, uma vez que o Brasil, por exemplo, alcançou um recorde de cerca de 493 milhões de euros movimentados em 28 negócios.

Recomendadas

Filipe de Vasconcelos Fernandes recebe Prémio António Barbosa de Melo de Estudos Parlamentares 2022 (com áudio)

Prémio é entregue esta segunda-feira, 5 de dezembro, na Universidade de Coimbra, a Filipe de Vasconcelos Fernandes, professor na Faculdade de Direito de Lisboa e advogado na VdA.

PremiumMudar modelo de negócio é uma opção para enfrentar “a maré de incertezas”

Empresas que não entendam o cenário macroeconómico enfrentam um futuro sombrio, alerta o CEO da DFK International. Consultoras “devem somar serviços”, diz em entrevista ao JE.

“Falar Direito”. “Renegociação? Medida deveria abranger outro tipo de créditos mais onerosos”

Na última edição do programa da plataforma multimédia JE TV, advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, considerou que o diploma referente à renegociação do crédito à habitação deveria ser mais abrangente, tendo em conta a contração de outros créditos mais onerosos.
Comentários