Europa corre risco de falta de gás no inverno do próximo ano, alerta AIE

A Europa corre o risco de ter falta de gás no inverno de 2023-2024, alertou hoje a Agência Internacional de Energia (AIE), que apelou aos governos para “agirem imediatamente” e reduzirem a procura.

Cerca de 30 mil milhões de metros cúbicos de gás podem vir a faltar no próximo ano, em caso de paragem total das entregas provenientes da Rússia e também com a recuperação económica da China, que absorverá uma larga parte do gás natural liquefeito (GNL), segundo os cálculos da AIE, criada em 1974 pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) para aconselhar os países em questões energéticas.

As reservas europeias estarão apenas a 65% no início do inverno de 2023-2024, quando atualmente estão em 95%, indicou o diretor da agência, Fatih Birol, aos jornalistas durante uma conferência de imprensa ‘online’.

A ‘almofada’ garantida pelos atuais níveis de reserva, a redução recente nos preços de gás e as temperaturas amenas, ao contrário do que é habitual, não devem levar a conclusões demasiado otimistas quanto ao futuro”, adverte a AIE nesta análise, que sublinha que no verão de 2023 as condições geopolíticas e económicas mundiais para conseguir abastecimento e preencher as reservas devem ter mudado bastante em relação a 2022.

Recomendadas

Economia portuguesa abranda, mas cresce mais do que a média europeia

A economia portuguesa cresceu 4,9%, no terceiro trimestre, abrandando em comparação com a variação registado nos três meses anteriores. Ainda assim, Portugal conseguiu crescer mais do que a média da UE e da zona euro.

Preço das casas para arrendar em Portugal subiu 2,9% em novembro

No final do mês de novembro, arrendar casa tinha um custo de 12,5 euros por metro quadrado.

CEO da EDP diz que Portugal tem sido “exemplo de estabilidade” nos preços para as famílias (com áudio)

Em declarações aos jornalistas durante uma visita a um parque solar flutuante em Singapura, o CEO da EDP disse que a evolução dos preços em Portugal, incluindo um aumento médio de cerca de 3% do valor global da fatura de eletricidade dos clientes residenciais da EDP Comercial a partir de janeiro, “é uma coisa perfeitamente estável face ao enquadramento que existe”.
Comentários