Europa deve preparar-se para o corte total do gás russo, diz Ursula von der Leyen

Perante os legisladores, em Estrasburgo, Ursula von der Leyen acusou o presidente da Rússia, Vladimir Putin, de utilizar a energia como arma.

Ursula von der Leyen – Twitter

A presidente da Comissão Europeia alertou, esta quarta-feira, os líderes da Europa para a importância da criação de planos de emergência que antecipem o corte total do gás russo, segundo a “Reuters”.

Perante os legisladores, em Estrasburgo, Ursula von der Leyen acusou o presidente da Rússia, Vladimir Putin, de utilizar a energia como arma.

Segundo a política alemã, a comissão está a trabalhar num “plano de emergência europeu”, cujas primeiras propostas serão dadas a conhecer até meados deste mês.

“Se acontecer o pior, então temos de estar preparados”, disse Von der Leyen, sublinhando a importância da existência de uma visão geral europeia e uma abordagem coordenada “para um potencial corte total do gás russo”.

https://twitter.com/vonderleyen/status/1544586761120190467?ref_src=twsrc%5Etfw%7Ctwcamp%5Etweetembed%7Ctwterm%5E1544586761120190467%7Ctwgr%5E%7Ctwcon%5Es1_&ref_url=https%3A%2F%2Fwww.theguardian.com%2Fworld%2Flive%2F2022%2Fjul%2F06%2Frussia-ukraine-war-live-news-donetsk-governor-urges-evacuations-amid-russian-offensive

Recomendadas

Julgamento por fraude fiscal contra Trump Organization agendado para outubro

O julgamento por suposta fraude fiscal contra a Trump Organization e o seu ex-diretor financeiro Allen Weisselberg começará em 24 de outubro, decidiu esta sexta-feira um juiz de Nova Iorque, rejeitando arquivar o caso, segundo a imprensa local.

Irão aceitará Acordo Nuclear mediante compromissos

Fonte não identificada afirmou que o último relatório com propostas apresentado pela União Europeia é “aceitável”, mas com algumas garantias, nomeadamente no que tem a ver com sanções e controlo do plano nuclear.

Venezuela e Colômbia iniciam normalização das relações

Os dois países vão trocar embaixadores na tentativa de restabelecer laços que se perderam há mais de três anos e que a vitória de Gustavo Petro nas presidenciais colombianas permitiu.
Comentários