Eurovisão: Liverpool acolhe concurso em 2023

Esta será a nona vez que o Reino Unido acolhe o concurso. Londres recebeu o Festival Eurovisão da Canção em 1960, 1963, 1968 e 1977, Edimburgo, em 1972, Brighton, em 1974, Harrogate, em 1982, e Birmingham, em 1998.

A cidade britânica de Liverpool foi hoje escolhida para ser a anfitriã do 67.º Festival Eurovisão da Canção, em maio de 2023, anunciaram a União Europeia de Radiodifusão (EBU) e a BBC, num comunicado conjunto.

“A grande final do Festival Eurovisão da Canção 2023 irá ter lugar na Liverpool Arena, junto ao rio Mersey, no sábado, 13 de maio, com as meias-finais em 09 e 11 de maio”, lê-se.

De acordo com as organizadoras, EBU e BBC, a cidade portuária foi escolhida “após um forte processo de candidatura”.

Foram examinadas “as instalações do local, a capacidade de acomodar milhares de delegações de visitantes, equipas, fãs e jornalistas, infraestrutura e a oferta cultural da cidade anfitriã ao refletir a vitória da Ucrânia em 2022, além de outros critérios”.

Esta será a nona vez que o Reino Unido acolhe o concurso. Londres recebeu o Festival Eurovisão da Canção em 1960, 1963, 1968 e 1977, Edimburgo, em 1972, Brighton, em 1974, Harrogate, em 1982, e Birmingham, em 1998.

A Ucrânia venceu, em maio, o 66.º Festival Eurovisão da Canção, em Turim, Itália, com o tema “Stefania”, interpretado pela Kalush Orchestra. Por ter vencido o concurso, a Ucrânia deveria ser no próximo ano o país anfitrião, tal como aconteceu em 2005 e 2017.

No entanto, em 17 de junho, a EBU anunciou que aquele país não iria acolher o concurso em 2023, devido à guerra no país.

Ucrânia, como o país vencedor deste ano, estará automaticamente classificado para a Grande Final em 2023, juntando-se aos chamados “Big Five”: França, Alemanha, Itália, Espanha e Reino Unido.

A 66.ª edição do festival, que se realiza anualmente na Europa desde 1956, incluía inicialmente 41 países, mas a EBU anunciou em 25 de fevereiro, um dia após a invasão da Ucrânia, que a Rússia iria ficar de fora.

A vitória da Ucrânia, a terceira na Eurovisão, deveu-se essencialmente à votação popular, não tendo o Reino Unido, que venceu na votação dos júris nacionais, conseguido ultrapassar os 631 votos da Ucrânia, 439 deles dados pela votação popular.

Este ano, Portugal alcançou o nono lugar, uma posição que já tinha obtido em duas outras competições, depois de conseguir um quinto lugar quando contabilizada apenas a votação dos júris nacionais.

A canção “Saudade, Saudade”, por Maro, não obteve nessa votação a pontuação máxima, mas vários países deram 10 pontos a Portugal, um deles a Ucrânia.

Dos 40 júris nacionais votaram na canção portuguesa 29 países, tendo então Portugal obtido 171 pontos. O Reino Unido, que estava só com essa pontuação em primeiro lugar, obtivera 283 pontos.

Na votação popular Portugal conseguiu apenas 36 pontos.

Na final do Festival Eurovisão da Canção concorriam 25 países, dos 40 que iniciaram a competição.

Recomendadas

Desvendar o enigma Aurélia de Souza

Uma mulher livre e uma artista que cultivou a liberdade. Das suas convicções e visão do mundo, sem deixar de ser fruto do seu mundo e tempo. Aurélia de Souza de seu nome, é o cerne da exposição “Vida e Segredo” no Museu Nacional Soares dos Reis, no Porto.

“Modo goblin”. A recém-eleita ‘palavra’ de 2022 da Oxford espelha o peso da realidade

O termo refere-se a “um tipo de comportamento que é assumidamente autoindulgente, preguiçoso ou desleixado, tipicamente de uma forma que rejeita normas ou expectativas sociais”. “Dado o ano que estamos a viver, o ‘modo goblin’ ressoa em todos nós que estamos um pouco sobrecarregados neste momento”, disse Grathwohl, citado pelo “The Guardian”.

PremiumNancy Pelosi: o render da guarda da guardiã dos velhos democratas

Devidamente independente para uns, demasidado independente para outros, a “louca Nancy Pelosi”, como Trump lhe chamava, é apenas dois anos mais velha que Joe Biden
Comentários