Eutanásia: “Matéria de elevada sensibilidade que não parece que deva ser referendável”, diz PAN

Inês de Sousa Real destacou que o projeto da Eutanásia “já atravessou várias legislaturas com várias consultas públicas, inclusive áreas da medicina e também saúde mental”.

A líder do PAN, Inês de Sousa Real, reforçou a posição a favor do partido relativamente à morte medicamente assistida, ao mesmo tempo que destacou que o assunto se trata de uma matéria de elevada sensibilidade que não parece que deva ser referendável.

Numa reação enviada às redações, Inês de Sousa Real destacou que o projeto da Eutanásia “já atravessou várias legislaturas com várias consultas públicas, inclusive áreas da medicina e também saúde mental”.

O projeto foi igualmente avaliado “do ponto de vista daquilo que são as organizações inclusive pro-vida”, destacou Inês de Sousa Real, acrescentando que “estamos a falar de uma matéria de elevada sensibilidade de direitos humanos que não nos parece que deva ser referendável”.

A porta-voz do PAN disse que a questão será novamente debatida na comissão política nacional do partido, mas antecipou que o PAN vai posicionar-se “de acordo com aquilo que foi anteriormente a sua posição face ao referendo sobre a morte medicamente assistida porque não nos faz qualquer sentido abrir-se este procedente, é até no nosso entender perigoso face a outros direitos fundamentais na constituição”.

De recordar que na semana passada a votação da eutanásia foi adiada a pedido do Chega, devido ao atraso na hora de chegada do texto de alteração, que acabou por ter a aprovação do PS e do PSD. Depois, o presidente do PSD anunciou que o partido iria propor um referendo nesta matéria.

Recomendadas

“A Arte da Guerra”. “Davos é um encontro de ricos a mostrarem que têm soluções para o mundo”

Menor intromissão que o costume veio de Davos, onde os ricos mais uma vez reuniram entre si no Fórum Mundial, outra vez sem a Rússia. Veja a análise do embaixador Francisco Seixas da Costa no programa da JE TV.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

Marcelo espera “maioria absoluta de obra” que não entre em “dissolução interna”

Em declarações aos jornalistas a meio de uma sessão do programa “Músicos no Palácio de Belém”, no antigo picadeiro real, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa apontou o fim da segunda maioria absoluta do PSD liderado por Cavaco Silva, na década de 1990, como exemplo a não seguir: “Essa maioria foi-se esvaziando, enfrentou eleições europeias”.
Comentários