Evoluir pode ser a chave para ficar

Cada vez mais a aposta em ‘managers’ originários de progressão interna se torna numa decisão estratégica sólida e confiável, suportada por uma força de trabalho estável, motivada e competente.

O acesso e a rápida disponibilização de informação é um fator chave para o sucesso empresarial no século XXI, tão importante para responder a solicitações e alertas dos clientes, como para dar a conhecer os serviços e produtos disponibilizados pelas empresas.

Aliás, mais do que rápida, a tendência é para que passe a ser imediata: em Espanha o Governo aprovou um anteprojeto que propõe o máximo de três minutos para dar resposta a informações gerais, reclamações ou questões relacionadas com serviços pós-venda.

Do outro lado destes serviços, num número que cresce a cada ano, estão profissionais de empresas que prestam serviços de comunicação e atendimento. Com formação específica e qualificada, cada vez mais este tipo de atividade se afasta da perceção, infelizmente, ainda generalizada de um local e posto de trabalho menos qualificado e precário.

Com o crescente aumento na procura, as empresas que operam na área dos contact center estão cada vez mais conscientes da necessidade de reter os talentos e profissionais qualificados que prestam serviços diariamente.

A evolução na carreira é um um fator chave na retenção de profissionais, onde o recrutamento interno representa um fator de atratividade, não só pelo desafio de efetuar novas tarefas, mas também conquistar novas competências e aprendizagens.

Para as empresas, para quem os recursos humanos são o bem mais valioso, a progressão na carreira significa um maior retorno da formação, assim como a criação de um ambiente de trabalho atrativo e estimulante e uma cultura de empresa virtuosa.

Num setor tão competitivo, esta aposta na progressão interna é já uma realidade em muitos players do mercado.

Cada vez mais a aposta em managers originários de progressão interna se torna numa decisão estratégica sólida e confiável, suportada por uma força de trabalho estável, motivada e competente. Empresas mais atrativas no mercado, reconhecidas pelo seu bom serviço e ancoradas na boa prestação dos seus recursos humanos.

Recomendadas

Exclusivo: Bónus milionário da CEO da TAP não é válido

O contrato assinado entre a TAP e a gestora francesa Christine Ourmières-Widener prevê um bónus que pode chegar a três milhões de euros no prazo de cinco anos, revela o documento, a que o Jornal Económico teve acesso. No entanto, o contrato não será válido, uma vez que uma das suas cláusulas prevêem que teria de ser aprovado pela Assembleia Geral da TAP SGPS, algo que nunca chegou a acontecer.

Pampilhosa da Serra assina novo contrato para assegurar transporte de passageiros

O município da Pampilhosa da Serra, no interior do distrito de Coimbra, vai pagar mensalmente mais de 15 mil euros a uma empresa para assegurar o serviço de transporte público de passageiros nas linhas que funcionam atualmente.

Martifer com contrato de 68 milhões para fazer viadutos ferroviários em Birmingham

“O fabrico da estrutura metálica será realizado maioritariamente no pólo industrial do grupo Martifer, em Oliveira de Frades, permitindo reforçar a vertente exportadora do grupo Martifer, que atualmente representa mais de 85 % do volume de negócios do segmento de estrutura metálica em Portugal”, refere a empresa.
Comentários