Évora. Câmara ativa plano para apoio aos sem-abrigo devido ao frio

A Câmara de Évora ativou hoje o plano de contingência para o tempo frio de forma a apoiar, com agasalhos, alimentação e bebidas quentes, as 27 pessoas sem-abrigo identificadas no concelho, revelou o vice-presidente do município.

Ev on Unsplash

Em declarações à agência Lusa, o vice-presidente da autarquia, Alexandre Varela, indicou que o plano agora ativado “vai estar em vigor até ao próximo domingo”, mas, “se houver necessidade”, a sua vigência “será prorrogada”.

O denominado Plano de Contingência para Pessoas Sem-Abrigo – Tempo Frio de Évora prevê a realização de “rondas diárias junto de sem-abrigo, nas quais são feitos reforços alimentares e a distribuição de bebidas quentes e roupa”, adiantou.

Alexandre Varela, que tem o pelouro da Proteção Civil, explicou que estas rondas são feitas por equipas técnicas de rua de projetos que integram o plano, como o Núcleo de Planeamento e Intervenção Sem-Abrigo (NPISA) ou o IN-Visibilidade.

Segundo o autarca, no concelho de Évora, estão identificadas “27 pessoas” em situação de sem-abrigo, as quais “vivem na rua ou vivem em condições muito precárias” em termos habitacionais.

Esta identificação, disse, foi feita através do Serviço de Proteção Civil da Câmara de Évora e das entidades parceiras, como a Delegação de Évora da Cruz Vermelha Portuguesa, a Santa Casa da Misericórdia de Évora ou a Associação Pão e Paz, entre outras.

Além dos apoios com agasalhos, alimentação e bebidas quentes, estão previstas outras ajudas, como a abertura de um espaço do município, o Monte Alentejano, no Rossio de São Brás, para o acolhimento de pessoas sem-abrigo.

“Estamos a ponderar medidas extra que venham a ser necessárias”, referiu, assinalando que a sua ativação “decorre da avaliação técnica que é feita nas rondas”.

O Plano de Contingência para Pessoas Sem-Abrigo – Tempo Frio de Évora é ativado pela Proteção Civil Municipal quando as temperaturas mínimas são inferiores a um grau, num período de dois dias.

Na segunda-feira, o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) estendeu o aviso amarelo para oito distritos do continente até quinta-feira devido à previsão de tempo frio, mantendo-se nos outros 10 até quarta-feira.

Os distritos de Bragança, Viseu, Évora, Guarda, Vila Real, Beja, Castelo Branco e Portalegre vão estar, assim, sob aviso amarelo até às 06:00 de quinta-feira, devido à persistência de valores baixos da temperatura mínima.

Até às 07:00 de quarta-feira, mantêm-se sob aviso amarelo por causa do frio os distritos do Porto, Faro, Setúbal, Santarém, Viana do Castelo, Lisboa, Leiria, Aveiro, Coimbra e Braga.

O aviso amarelo, o terceiro menos grave, é emitido pelo IPMA sempre que existe uma situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica.

De acordo com o IPMA, o tempo frio, que deverá manter-se até ao final da semana, é causado por um anticiclone localizado no norte da Europa, estendendo-se em crista até ao Atlântico”, transportando “uma massa de ar frio continental para a Península Ibérica”.

Recomendadas

Governo anuncia construção do IC31 em perfil de autoestrada

“A decisão é avançar com o perfil de autoestrada logo desde o início. O primeiro troço [IC31] tem declaração de impacto ambiental positivo. Neste momento é avançar para poder ter máquinas no terreno em 2025”, afirmou aos jornalistas João Galamba no final de uma reunião em Castelo Branco, com autarcas da Comunidade Intermunicipal da Beira Baixa (CIMBB), sobre a estratégia para o desenvolvimento da ligação transfronteiriça – IC31.

CP alerta para perturbações na circulação entre 8 e 17 de fevereiro devido a greves

A empresa indicou também que a informação será atualização, caso venham a ser definidos serviços mínimos pelo Tribunal Arbitral.

Premium“Há muitas empresas com dificuldade em contratar”

As empresas continuam a queixar-se da escassez de mão-de-obra, ainda que o desemprego tenha aumentado nos últimos meses. Tal denuncia o desencontro entre os trabalhadores e o que os empregadores procuram, diz líder da AEP.
Comentários