Ex-funcionários colocam Tesla em tribunal por considerarem que despedimento coletivo violou lei federal

Os trabalhadores alegam que a empresa não cumpriu as leis federais sobre despedimentos coletivos, que exigem um período de notificação de 60 dias sob a ‘Lei de Notificação de Ajuste e Reciclagem do Trabalhador’.

Dois ex-funcionários da Tesla decidiram avançar com um processo em tribunal contra a empresa de Elon Musk, por considerarem que o despedimento coletivo, no qual foram visados, violou a lei federal devido ao incumprimento do tempo de aviso que está estipulado na lei norte-americana, segundo a “Reuters”.

De acordo com o processo aberto no tribunal distrital dos EUA (Texas), mais de 500 funcionários foram despedidos na fábrica da Tesla no Estado do Nevada.

Os trabalhadores alegam que a empresa não cumpriu as leis federais sobre despedimentos coletivos, que exigem um período de notificação de 60 dias sob a ‘Lei de Notificação de Ajuste e Reciclagem do Trabalhador’, de acordo com documentos do processo consultados pela “Reuters”.

Os dois ex-funcionários querem que o status de ação coletiva seja estendido para todos os ex-funcionários da Tesla nos Estados Unidos que foram demitidos em maio ou junho sem aviso prévio.

“A Tesla simplesmente notificou os funcionários de que as suas rescisões entrariam em vigor imediatamente”, lê-se no documento entregue ao tribunal.

O presidente-executivo da Tesla, Elon Musk, a pessoa mais rica do mundo, disse no início deste mês que tinha um “sentimento super mau” sobre a economia e que a Tesla teria de cortar a sua força de trabalho em 10%, de acordo com um e-mail citado pela “Reuters”.

Mais de 20 pessoas que se identificaram como ex-funcionários da Tesla disseram que foram despedidos, dispensados ​​ou tiveram os seus cargos eliminados este mês, de acordo com publicações online e entrevistas com a “Reuters”.

A ação movida por John Lynch e Daxton Hartsfield, despedidos em 10 de junho e 15 de junho, respetivamente, tem como objetivo obter remuneração e benefícios pelo período de notificação de 60 dias.

“É chocante que a Tesla tenha violado descaradamente a lei trabalhista federal despedindo tantos trabalhadores sem fornecer o aviso necessário”, disse Shannon Liss-Riordan, advogado que representa os trabalhadores.

Liss-Riordan afirmou que a Tesla está a oferecer a alguns funcionários “apenas” uma semana de indemnização, acrescentando que está a preparar uma moção de emergência com um tribunal para tentar impedir a Tesla de obter despedimentos de funcionários em troca de apenas uma semana de indemnização.

Musk classificou o processo como “trivial”, acrescetando que “não vamos ler muito num processo preventivo que não tem fundamento”, durante o Fórum Económico do Catar, organizado pela “Bloomberg”.

“Parece que qualquer coisa relacionada à Tesla recebe muitos cliques, seja trivial ou significativo. Eu colocaria esse processo ao qual você se refere na categoria trivial”, apontou Musk.

Relacionadas

SpaceX demite cinco funcionários que criticaram Elon Musk em carta

A carta da SpaceX, intitulada “uma carta aberta aos executivos da SpaceX” e divulgada pelo website The Verge, diz que Musk é uma “distração e constrangimento” para a empresa que ele próprio fundou.

Musk processado em 258 mil milhões por alegado esquema de pirâmide de Dogecoin

Musk, a empresa de carros elétricos Tesla e a empresa de turismo espacial SpaceX são acusadas de extorsão por venderem a Dogecoin e aumentarem o seu preço propositadamente.

Funcionários do Twitter insatisfeitos com respostas de Musk sobre visão da empresa

Os trabalhadores foram em massa para um canal interno da rede Slack durante a sessão de perguntas e respostas, onde publicaram memes, reclamaram que Musk não estava a dar respostas úteis e exigiram que o moderador o pressionasse para falar sobre o trabalho remoto.

Tesla já começou a cortar nos postos de trabalho

Publicações do LinkedIn mostram que a Tesla começou a cortar na sua força de trabalho, que era de 100.000 funcionários no final de 2021.
Recomendadas

Julius Baer torna unidade de mercados independente

A Julius Baer Group, que em Espanha tem portugueses na equipa de gestão, está a criar uma divisão de mercados autónoma e para dirigir essa unidade escolheu Luigi Vignola.

CEO deixa empresa de 65 mil milhões para ir para a “praia e não fazer nada”

Formica, que está no Reino Unido há quase três décadas, disse em entrevista que a sua saída se deve a “motivos pessoais”, incluindo o desejo de estar mais perto dos pais já idosos. Planeia voltar para a Austrália, o seu país natal.

ANJE com concessionária Norscut e Egis escolhem quatro propostas para melhorar autoestrada A24

O valor do prémio em concurso era de 30 mil euros, sendo atribuídos dois prémios por categoria – o valor do 1.º prémio era de 10 mil euros e do 2.º prémio de 5 mil euros.
Comentários