Ex-ministra Constança Urbano de Sousa vai abandonar o parlamento

Esta posição consta de uma mensagem que Constança Urbano de Sousa enviou aos deputados do PS do distrito do Porto, círculo pelo qual foi eleita deputada nas eleições legislativas de 2019.

A ex-ministra da Administração Interna e atual vice-presidente da bancada socialista Constança Urbano de Sousa comunicou ao secretário-geral do PS, António Costa, que não se se recandidatará a deputada nas eleições legislativas de 30 de janeiro.

Esta posição consta de uma mensagem que Constança Urbano de Sousa enviou aos deputados do PS do distrito do Porto, círculo pelo qual foi eleita deputada nas eleições legislativas de 2019.

“Sinto que tenho o dever de vos informar que, tendo sabido que iria integrar as listas do PS às legislativas de 2022, formalizei junto do nosso secretário-geral [António Costa] a minha decisão de não me recandidatar à Assembleia da República”, escreve a ex-ministra da Administração Interna entre novembro de 20165 e outubro de 2017.

A vice-presidente do Grupo Parlamentar do PS refere depois que abandona as funções de deputada na Assembleia da República “por razões puramente pessoais”.

“Tenho profunda gratidão por ter estado estes anos na política ativa a servir o meu país, da melhor forma que pude e consegui.  No entanto, na política “está-se” e chegou o momento de seguir com a minha vida”, justifica.

Constança Urbano de Sousa acrescenta que não toma esta decisão “de ânimo leve”. “Mas sinto que tenho de o fazer, para continuar a ser uma mulher livre”, salienta.

Recomendadas

Proposta do Chega para criar comissão de inquérito à gestão da pandemia será chumbada (com áudio)

Instrumentalização e banalização de comissões parlamentares de inquérito, esbanjamento de recursos, descredibilização de consensos e criação de ‘soundbite’ são as acusações dirigidas por PS, PAN e Livre ao Chega. Desde o início da legislatura, o partido já propôs cinco comissões parlamentares de inquérito, todas rejeitadas. O dia de hoje contribuirá para a tendência.

PremiumOrçamento da câmara de Caminha não prevê 300 mil euros de rendas a devolver

O presidente da câmara pediu a devolução de 300 mil euros pagos ao promotor de centro de exposições. Mas verba não está prevista no orçamento. Oposição diz que edil não tem esperanças de receber.
Carlos Moedas

Moedas diz que classe política “tem que dar o exemplo de devoção pelo bem comum”

O presidente da Câmara de Lisboa considerou hoje que o 1.º de Dezembro ensinou que a “classe política tem que dar o exemplo de devoção pelo bem comum”, não podendo fechar-se “sobre si mesma” ou considerar ser “imune à crítica”.
Comentários