Executiva da Amazon sob suspeita por negociações ilícitas com a administração Trump

Uma executiva da empresa de Jeff Bezos está sob investigação depois terem sido divulgados e-mails sobre potenciais acordos exclusivos, no valor de mil milhões de dólares.

Uma executiva de topo da Amazon, Anne Rung terá aconselhado a administração de Donald Trump no processo de lançamento de um novo portal online dedicado a compras de material (de cadeiras de escritório a clips) a ser utilizado pelo Governo dos EUA. Este portal poderá gerar mil milhões de dólares à empresa tecnológica, escreve o “The Guardian“, esta quarta feira.

A grande prova que sustenta esta história contada pelo jornal inglês é uma série de e-mails trocados entre Anne Rung, da Amazon, e um alto responsável da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (Government Services Authority, GSA).

Neles é discutida a abordagem que o Governo deveria tomar para criar o dito portal e a conversa em questão decorreu ainda antes de ser redigida a legislação, que foi apenas assinada no final do ano passado e que estruturaria todo o projeto.

A correspondência de 2017 entre Anne Rung, que fez parte da administração de Barack Obama antes de se mudar para a Amazon, e Marie Davie, da GSA, mostra a forma como a gigante do comércio online utilizou antigos membros do Governo (que agora são ou funcionários efetivos ou consultores externos da mesma empresa) para ganhar influência e potencialmente dar forma a vários contratos lucrativos governamentais.

O jornal inglês explica, contudo, que ainda não foi determinado que empresas construirão o novo portal de comércio electrónico do Governo dos EUA, mas espera-se que a Amazon assuma um papel dominante, dando-lhe uma posição importante no mercado de 53 mil milhões de dólares (46 mil milhões de euros) para aquisições federais de produtos comerciais de escritório.

Em 2017, a gigante garantiu um contrato de 5,5 mil milhões de dólares que a transformou na responsável principal pelo fornecimento de vários tipos de bens (como material de escritório e livros) a centenas de governos locais e municípios espalhados pelos EUA.

A mesma empresa fechará também um contrato de 10 mil milhões de dólares, celebrado com o Pentágono, para a criação de um programa informático chamado “Jedi”, que prevê a criação de uma espécie de ‘cloud‘, gerida comercialmente, onde vão ficar armazenadas muitas das informações e documentos do departamento da defesa, algo idêntico ao que existe com o Central Intelligence Agency – CIA.

Importa realçar que a Amazon e a administração Trump aparentam ter uma relação ‘amarga’, muito por causa dos ataques de Donald Trump a Jeff Bezos, o líder da empresa que também é proprietário do jornal “Washington Post”. Contudo, o ‘lobby‘ “secreto” da Amazon mostra como a companhia foi, ao mesmo tempo, desenvolvendo uma posição destacada junto do Governo federal norte-americano.

Stacy Mitchell, a diretora adjunta do Institute for Local Self-Reliance, um grupo que apoia vários pequenos comerciantes da América do Norte, contou ao jornal britânico que a ”Amazon quer ser o principal interface entre todos os organismos governamentais compradores e as empresas que lhes querem vender coisas, uma posição incrivelmente poderosa e lucrativa”.

A Amazon recusou-se a comentar quantos dos seus negócios estão atualmente ligados com o Governo federal.

Recomendadas

CGD vai continuar com uma posição de capital acima da média da Europa, diz Paulo Macedo

O presidente da Comissão Executiva da CGD disse hoje que o banco vai continuar com uma das maiores redes de agências e com uma posição de capital acima da média da Europa e acima dos bancos portugueses.

Alliance Healthcare tem um novo CEO

Paulo Clímaco Lilaia é o novo CEO da Alliance Healthcare, anunciou a empresa que  armazena e distribui produtos farmacêuticos, em comunicado.

Unicórnio Feedzai nomeia David Henshall para o conselho de administração

O antigo presidente e CEO da norte-americana Citrix Systems juntou-se à gestão da empresa liderada por Nuno Sebastião, conhecida pela sua plataforma digital de gestão de risco e fraude financeira.
Comentários