Exigências do BCE estão supridas, diz Nuno Amado

Depois de chumbar nos testes de stresse, Nuno Amado, o CEO do Millennium bcp afasta a necessidade de aumento de capital e outras medidas. A justificação está no facto de todos os requisitos fixados par ao cenário adverso até 2016 já terem sido supridos. Refere o BCP que a metodologia do Banco Central Europeu tomou […]

Depois de chumbar nos testes de stresse, Nuno Amado, o CEO do Millennium bcp afasta a necessidade de aumento de capital e outras medidas. A justificação está no facto de todos os requisitos fixados par ao cenário adverso até 2016 já terem sido supridos. Refere o BCP que a metodologia do Banco Central Europeu tomou por base os dados de 31 de dezembro de 2013 e, entretanto, a realidade é bem diferente.

Durante o corrente ano o BCP fez os reembolsos adicionais de 1850 milhões de euros das obrigações convertíveis (CoCos) ao Estado, em agosto último, acordou a venda da operação da Roménia e em outubro, anunciou o acordo de venda da Millennium Gestão de Activos.
Diz o BCP que face a uma exposição inicial ao Estado de nove mil milhões de euros, incluindo Cocos e garantias, restam 750 milhões de euros de devolução ao Estado.

Recorde-se que de acordo com o teste de stresse do BCE, cujos resultados foram divulgados durante a manhã deste domingo, o BCP ficaria, em 2016, com um rácio de capital de 3%, quando o mínimo é de 5,5%.Refere o BCP que “as medidas já decididas asseguram níveis de solvabilidade que superam os requisitos fixados para o cenário adverso”. Concluem que o exercício de capital do BCE (AQR) ficaria acima do limite de 8%. Afirma ainda que o rácio common equity tier 1 proforma é de 12,8% , de acordo com o critério phase-in; e 10,2% de acordo com o critério fully-implemented em setembro de 2014, já após a inclusão do impacto do AQR que têm reflexo contabilístico.

Por Vítor Norinha e Carlos Caldeira

Recomendadas

APAVT diz que é fundamental poder prorrogar pagamento de dívida contraída na pandemia

A Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) considera ser fundamental a possibilidade de prorrogar o pagamento do serviço da dívida contraída na pandemia, dado que os processos de recapitalização para as empresas não tiveram sucesso.

Governo dos Açores vai reconduzir atual presidente da SATA, Luís Rodrigues

O chefe do Governo dos Açores anunciou hoje que vai indigitar o atual presidente da SATA, Luís Rodrigues, para futuro presidente da holding, justificando a decisão com a importância da “estabilidade” associada à “competência” do responsável.

Oeiras cria fundo para ajudar comerciantes a recuperar dos estragos do mau-tempo

A Câmara de Oeiras vai criar um fundo, cujo valor será ainda determinado, para apoiar os comerciantes na sequência dos estragos provocados pelo mau tempo, adiantou hoje o presidente, acrescentando que a avaliação dos danos será feita na sexta-feira.