Exigir participação de mulheres em conferências é o novo grito pela igualdade

O BNP Paribas Portugal assumiu o compromisso de não participar em conferências em cujos painéis não estejam mulheres. Acordo com movimento francês Jamais Sans Elles foi oficializado no dia 10 de novembro.

Não participar em conferências em cujos painéis não estejam mulheres. Este é um dos compromissos assumido pelos membros Top Management do BNP Paribas Portugal perante o movimento francês Jamais Sans Elles, criado em 2016 e que já conta com 1000 signatários de mais de 20 países – entre os quais o governo francês – , que se pauta pela promoção da igualdade de género no meio corporativo e governamental.

O objetivo já havia sido traçado pela instituição bancária francesa em 2019, através da concertação de vários acordos com grandes empresas do país, mas foi agora que a visão do movimento francês chegou oficialmente a Portugal, com a assinatura da carta no dia 10 de novembro, nos escritórios do grupo em Lisboa.

Um compromisso ambicioso que, nas palavras de Caroline Courtin, Global Head of Diversity and Inclusion do BNP Paribas, pretende assegurar a presença de mulheres em todos os níveis.

Atualmente, um terço dos membros do Comité Executivo são mulheres, tendo o Banco fixado como meta chegar a uma representação de 40% de mulheres até 2025.

Como explica Courtin em entrevista exclusiva ao Jornal Económico, o grupo avançou com o acordo ciente de que não é possível cumpri-lo a 100% no início. Porém, importa seguir, sublinha a mesma responsável, o progresso da implementação.

Questionada sobre quais os principais entraves na aplicação das medidas, a mesma responsável aponta para a inação. “O equilíbrio de género é, por vezes, um obstáculo; quando se convida alguns peritos, são geralmente homens e estão sobrerrepresentados. É um mundo desequilibrado, mas o principal obstáculo é não tentar, porque sempre que temos uma verdadeira tentativa encontramos uma solução. Temos tendência a desistir. Mas, na verdade, quando tentamos, encontramos soluções, encontramos mulheres onde pensamos não ter conhecimentos especializados para o painel”, considerou a mesma responsável-

“Não queremos assinar cartas por assinar”, sublinhou Caroline Courtin,  deixando claro o compromisso que a instituição assumiu, baseado em conversações até se chegar à carta assinada decorreram durante quatro ou cinco meses.

À margem da assinatura do acordo, os representantes do Jamais Sans Elles, presidido por Tatiana Salomon, contaram ao JE como se estabelece a parceria entre o movimento e os parceiros, que assenta num plano “personalizado”, feito à medida dos compromissos que as partes podem assumir.

“Não fazemos nenhuma campanha de recrutamento. Quem nos contacta percebe o compromisso do JSE. É um compromisso individual e voluntário de todos os parceiros. Perguntam-nos como podemos trabalhar em conjunto. É um compromisso verdadeiramente individual desde o início”, explica um dos representantes do grupo, insistindo no compromisso individual de recusa de participação em qualquer evento público em que não haja nenhuma mulher no painel.

O BNP Paribas tem-se dedicado ao desenvolvimento de várias iniciativas e ações com vista à promoção da Igualdade de Género, tendo sido inclusive uma das primeiras empresas a assinar os “Women Empowerment Principles (WEP)” em parceria com a HeForShe da ONU, uma campanha que mobiliza também homens para a causa.

“Como tal, a ligação do BNP Paribas ao movimento #JamaisSansElles é um passo natural no caminho que continuamos a fazer para uma sociedade mais sustentável e inclusiva e, apesar de termos sido os pioneiros ao assinar esta a carta de princípios feministas humanistas em Portugal, queremos promover esta mensagem de que todos (indivíduos, empresas, governo e demais organizações) temos um papel a desempenhar, na criação de uma sociedade mais paritária, em que todos tenham iguais oportunidades no futuro”, explica Luciana Peres, Diretora de CSR e Diversidade e Inclusão do BNP Paribas.

O movimento #JamaisSansElles, que teve início em 2016, em Paris, é acompanhado por cerca de mil signatários homens e mulheres, empreendedores, humanistas, referências do mundo digital e dos meios de comunicação, além de figuras ligadas à educação e à política “que, habituados a participar em discussões públicas e eventos, se recusam agora a participar em painéis de discussão/debate nos quais não sejam incluídas mulheres”.

Presente em duas dezenas de países, o movimento abrange, em média, mensalmente, cerca de 23 milhões de pessoas através de diferentes ações, tendo sido já assumidos 630.000 compromissos nas redes sociais e organizados 30 eventos pela organização.

O BNP Paribas Portugal firmou uma parceria com o Jamais Sans Elles, ao assinar uma carta que estabelece os compromissos desse movimento a favor da igualdade de género em todos os âmbitos da sociedade, bem como um modelo de governo paritário.

A parceria foi cunhada pela equipa do Top Management da instituição bancária em Portugal, numa cerimónia que decorreu pelas 11h30 nos escritórios em Lisboa, com Caroline Courtin, Global Head of Diversity & Inclusion, e, Natacha Quester-Séméon, Managing Director and Spokesperson do #JamaisSansElles e Tatiana F. Salomon, Association President.

 

 

Recomendadas

TAP: PS esclarece que viabilizará proposta de inquérito do BE com abstenção

O Grupo Parlamentar do PS esclareceu que viabilizará a proposta de inquérito parlamentar do Bloco sobre a TAP através da abstenção, corrigindo a posição assumida pelo deputado Carlos Pereira.

EDP já instalou mais de 700 mil painéis solares nas casas de famílias na Ibéria

A EDP explica que “estas famílias conseguem uma poupança média de até 30% ou mesmo 70% quando agregado a uma bateria de armazenamento. A produção de energia gerada nestas instalações seria suficiente para abastecer com energia renovável 500 mil pessoas por mês, o equivalente a fornecer apenas com energia solar toda a população de Lisboa”.
litio

Lítio: Comissão de Avaliação dá parecer favorável à mina em Montalegre

A Lusorecursos Portugal Lithium confirmou um parecer favorável por parte da Comissão de Avaliação da Mina do Romano, que dá luz verde à exploração mista de lítio (céu aberto e subterrânea) em Montalegre.
Comentários