“Existe cada vez mais interesse por Portugal na City”

Numa entrevista que assinala o 25º aniversário da presença da Uría na capital britânica, os dois advogados falam da firma, de Portugal e do Brexit.

O advogado Juan Carlos Machuca é o sócio responsável pelo escritório da Uría Menéndez em Londres. De passagem por Lisboa, o advogado espanhol falou ao Jornal Económico da estratégia da firma na City londrina, numa entrevista conjunta com o sócio português do escritório de Londres, Carlos Costa Andrade, na sede da Uría Menéndez – Proença de Carvalho (UM-PC), em Lisboa.

Juan Carlos Machuca acredita que o impacto do Brexit na economia britânica será negativo, devido à incerteza, mas considera que a City conseguirá manter a sua importância como grande centro financeiro internacional. “Os grandes bancos estão a apostar em cidades como Dublin ou Frankfurt, mas vão continuar em Londres, bem como os grandes fundos de ‘private equitiy’”, defendeu.

E são os private equities, com quem lida frequentemente, que mais interesse têm mostrado por Portugal. Juan Carlos Machuca disse que, se há alguns anos os gestores dos grandes fundos da City o escutavam falar de Portugal “apenas durante alguns minutos, por educação”, hoje procuram ativamente oportunidades no nosso país. “Há um interesse crescente por Portugal, de há dois anos para cá. Vemos muito interesse em sectores como infra-estruturas, financeiro, turismo”, disse Juan Carlos Machuca, acrescentando que Portugal “está na moda”.

“Além disso, há dois portugueses à frente de dois dos maiores bancos britânicos [Lloyds e HSBC] e ambos chamam-se António!”, afirmou, referindo-se a António Horta Osório e a António Simões.

Por sua vez, Carlos Costa Andrade, que trabalha na área de Mercados de Capitais, está em Londres desde 2011 e tem participado em várias operações envolvendo investimentos em Portugal e noutros mercados. “Vejo interesse sobretudo por ‘private equities’ em determinados sectores e não tanto nas empresas cotadas portuguesas, como acontecia há alguns anos”, disse. Questionado sobre se os colapsos do BES e da PT minaram a credibilidade do mercado de capitais português, Costa Andrade admitiu que “não foram boas notícias”. Mas defende que a imagem do país e das suas empresas conseguiu recuperar.

25 anos na City

O escritório de Londres foi o segundo a ser aberto pela Uría fora de Espanha. O primeiro foi em Nova Iorque e o terceiro foi o de Bruxelas, disse Juan Carlos Machuca. Ao longo dos anos seguintes, a firma ibérica apostou na América Latina – acompanhando o afluxo de capitais ibéricos a países como a Argentina e o Brasil – e na Europa Central e de Leste. Embora neste último caso a firma tenha chegado à conclusão de que é suficiente ter uma Desk e não um escritório permanente.

Este ano a Uría comemora o 25º aniversário da abertura do escritório de Londres. Juan Carlos Machuca, que está na capital britânica desde 2000, recorda que o objetivo da aposta da Uría em Londres foi estar próximo dos “brains” do setor financeiro e aprender com o que melhor ali se fazia, tanto na finança como na advocacia. “Quisemos aprender com o melhor que se fazia nos mercados anglo-saxónicos, por exemplo na forma como se lida com a comunicação social que acompanha este setor enquanto negócio”, explicou. Em 2000, eram apenas dois advogados. Hoje são oito em permanência (dos quais seis espanhóis e dois portugueses), explicou.

A estadia na capital britânica permitiu-lhe aperceber-se das diferenças que ainda existem entre a advocacia anglo-saxónica e a continental.

“Se há diferenças? Há muitas, a começar, claro, pelas diferentes tradições jurídicas, mas também a forma como fazemos as coisas. Ainda há pouco tempo estive num seminário em que se procurava ensinar os advogados anglo-saxónicos a aprender como fazemos as coisas aqui”, disse. Acrescentou que os “advogados ibéricos estão cada vez mais anglo-saxónicos, por exemplo na forma como apoiamos as transações”.

A política da Uría passa por enviar o maior número possível de advogados jovens para períodos de trabalho no estrangeiro. Só de Portugal já foram 37 advogados da firma, alguns dos quais estiveram ou estão em Londres, como Miguel Stokes e Miguel Leal, que também estiveram presentes na conversa com o Jornal Económico.

“Todos os advogados que enviamos para o estrangeiro, para os centros financeiros anglo-saxónicos, aprenderam a fazer os negócios da forma como se fazem nesses grandes centros financeiros, com clientes internacionais”, explicou Juan Carlos Machuca. “Eu costumo dizer-lhes: vais estar fora de casa e por isso vais acabar por dedicar mais tempo ao escritório em Londres do que no teu país. És como que um embaixador da Uría Menéndez, afirmou.

“A Uría está em Portugal desde 2001. Entre esse ano e 2011 enviamos para Londres vários advogados, essencialmente jovens, para lhes dar a formação e o contexto internacional”, disse Carlos Costa Andrade. “Mas desde 2011 temos uma maior projeção da prática portuguesa em Londres, com a minha presença permanente e de outros advogados seniores, para que não fosse apenas um local de carreira e formação mas também para desenvolver uma actividade transacional, o que fizemos de forma significativa”, disse Carlos Costa Andrade, que trabalha na área de mercados de capitais e setor financeiro. “Londres é muito desafiante porque é lá que ouvimos falar dos novos produtos e conceitos financeiros”, disse. “Ao viver lá, temos oportunidade de conhecer a comunidade de banqueiros e gestores de fundos internacionais que está em Londres. É completamente diferente de falar com essas pessoas à distância, a partir de Lisboa”, disse o advogado.

Recomendadas

Alteração da proposta de OE para 2023 em sede de tributação de criptoativos (IRS): algumas notas

Em termos globais, tudo indica que passamos de uma proposta altamente abrangente para uma proposta altamente competitiva que parece apresentar as condições necessárias para manter Portugal na lista de países considerados ‘crypto-friendly’.

Datalex prevê levar software para advogados a Espanha e Brasil no próximo ano

O diretor da startup portuguesa Datalex disse ao Jornal Económico que a internacionalização passará por parcerias estratégicas. A empresa de tecnologia para juristas renovou recentemente a imagem de marca para apostar noutros mercados e prevê fechar 2022 com uma subida de até 62% na faturação.

Filipe de Vasconcelos Fernandes recebe Prémio António Barbosa de Melo de Estudos Parlamentares 2022 (com áudio)

Prémio é entregue esta segunda-feira, 5 de dezembro, na Universidade de Coimbra, a Filipe de Vasconcelos Fernandes, professor na Faculdade de Direito de Lisboa e advogado na VdA.
Comentários