Exodus Aveiro Fest convida o público a participar num movimento global de criatividade

No início de dezembro haverá um “êxodo” muito especial, quando profissionais da fotografia e do vídeo confluírem para a cidade de Aveiro, para partilharem as suas vivências no Exodus Aveiro Fest, inspirando ao conhecimento, à preservação e à descoberta de um mundo que se quer de todos.

© Wanaka

Exodus Aveiro Fest é um Festival Internacional de Fotografia e Vídeo que reúne dos melhores profissionais desta área, num evento único em Portugal. Nos dias 2, 3 e 4 de dezembro de 2022, no Centro de Congressos de Aveiro, os fotógrafos convidados vão falar das suas vidas, trabalhos e das suas vivências.

A missão que o Exodus quer abraçar é a dos valores humanos, culturais, sociais e ambientais, sem descurar a aproximação à comunidade local e as pontes que se vão criando com a comunidade internacional. Daí a presença de nomes de referência na área da fotografia e vídeo, como a realizadora Pippa Ehrlich, que venceu o Óscar de Melhor Documentário com “My Octopus Teacher” (2020).

Como refere a organização no site do evento, este festival feito de viagens, aventura e curiosidade, deve muito ao “desafio de nos desafiarmos” para construir um mundo mais tolerante, através da apresentação dos melhores trabalhos de profissionais que colaboram regularmente com publicações como a “National Geographic”, “Time Magazine”, entre outras, mas também com muitos outros nomes do mundo mediático, comercial e empresarial.

O warm up do Exodus Fest tem lugar na noite de 2 de dezembro, num momento aberto a toda a comunidade no Centro de Congressos de Aveiro, para no fim de semana 2 e 4 de dezembro, entrar em velocidade cruzeiro com duas masterclasses orientadas pelos fotógrafos Art Wolfe e Michael Yamashita. Na noite sábado, está prevista uma palestra sobre viagens, dia em que inaugura uma exposição com mais de uma centena de fotografias dos artistas convidados.

Nos três dias subsequentes ao fim de semana, o festival prossegue com uma roadtrip pela região centro, por alguns dos locais mais representativos do país. “O objetivo é apresentar o país a este grupo de futuros embaixadores, promovendo assim um canal excecional de divulgação e promoção da riqueza geográfica e cultural de Portugal”, lê-se no comunicado da organização do Exodus Aveiro Fest.

E quem são estes “futuros embaixadores”?

Ragnar Axelsson, Michael Yamashita, Art Wolfe, Beth Wald, Pippa Ehrlich, Alixandra Fazzina, Andy Best, José Sarmento Matos, Brittany Mumma e Pie Aerts são os artistas/oradores convidados. Cada um com um percurso muito distinto na fotografia e vídeo, estarão em Aveiro para partilhar a sua mundividência.

O fotógrafo islandês Ragnar Axelsson, que tem viajado pelo Ártico nas últimas três décadas, tem vindo a testemunhar uma tremenda mudança na paisagem e ambiente. “Já estive em todo o mundo, mas o Ártico continua a chamar-me de volta vezes sem conta”, diz, realçando que os efeitos do aquecimento global são visíveis todos os dias. “Temos de ser capazes de responder aos nossos filhos quando eles nos perguntam o que fizemos em relação a isto”, realça Axelsson.

Michael Yamashita fotografa para a “National Geographic” há 40 anos, combinando as suas duas paixões, viagem e fotografia. Especializou-se em percorrer os caminhos de viajantes famosos como Marco Polo e o explorador/militar chinês Zheng He, captando no século XXI imagens que poderiam facilmente ter sido vistas em tempos antigos. Multipremiado, é ainda conhecido pela sua faceta de professor e palestrante, sendo bastante requisitado por universidades no mundo inteiro para partilhar o seu conhecimento, seja em conferências ou workshops de fotografia.

Pippa Ehrlich integra o Projeto Sea Change há seis anos, no âmbito do qual tem explorado as florestas submarinas da Cidade do Cabo. Destas incursões resultou um livro, “Se Change”, e um filme, “My Octopus Teacher” – “A Sabedoria do Polvo”, em português – o primeiro documentário sul-africano na Netflix que já ganhou mais de 20 prémios internacionais. Antes de se juntar ao Sea Change, Ehrlich trabalhou como jornalista ambiental e tem colaborado com alguns dos melhores investigadores marinhos e fotógrafos subaquáticos do mundo.

José Sarmento Matos é um jovem fotógrafo documental português que vive entre Londres e Lisboa. Em 2015, foi considerado pela Magnum Photos como um dos 30 melhores fotógrafos do mundo com menos de 30 anos, com o trabalho “O virar da página”. Em 2020, venceu o prémio Estação Imagem com o projeto “Where do I belong? Abandoning the Venezuelan Dream.”. Colabora regularmente com publicações internacionais, como “The New York Times”, “Newsweek “, “New Yorker” e “Washington Post”.

Pie Aerts é fotógrafo documental e de vida selvagem holandês que usa a sua lente para registar histórias de conflitos entre humanos e animais selvagens. É também embaixador oficial da Canon EMEA e fundador da Prints for Wildlife, uma plataforma de angariação de fundos para apoiar a vida selvagem e as comunidades africanas gravemente atingidas pela Covid-19. Desde a sua criação, em 2020, foram angariados mais de 2,1 milhões de dólares através de uma rede de 230 fotógrafos de vida selvagem dos quatro continentes.

Alixandra Fazzina (Reino Unido/Irlanda) começou a sua carreira como fotógrafa de guerra na Bósnia e prosseguiu o seu trabalho de forma independente em a África, Médio Oriente e Ásia. Em 2010, venceu o prestigiado Prémio do ACNUR Nansen Refugiados, pela sua cobertura das devastadoras consequências humanas da guerra. Coproprietária e membro da NOOR Images e da Fundação NOOR, as suas reportagens têm sido publicadas em livros e meios de comunicação internacionais e as suas fotografias expostas em museus e galerias de todo o mundo.

À semelhança da edição de 2021, será possível assistir online ao Exodus Aveiro Fest. Consulte aqui toda a programação.

Recomendadas
Capa_Livro_Zero_to_One_Weekend_960_600

Não há nenhuma razão para que o futuro só aconteça em Silicon Valley

Weekend: A equipa da Instinct deixa-lhe sugestões de entrevistas, livros, filmes, séries, podcasts e artigos que o vão ajudar a entender, refletir e inspirar sobre o futuro para inovar com impacto.

Projeto “Ponte nas ondas” integra Boas Práticas de Património Imaterial da UNESCO

O projeto luso-galaico “Ponte nas Ondas” foi hoje reconhecido pela UNESCO, em Rabat, Marrocos, passando a integrar o Registo de Boas Práticas de Salvaguarda de Património Cultural Imaterial daquela organização internacional, tornando-se na primeira candidatura portuguesa da lista.

“Odisseia Nacional” do D. Maria II, um teatro em périplo pelo continente e ilhas

Durante 2023, o Teatro Nacional D. Maria II vai desenvolver um programa extramuros e levar a todas as regiões de Portugal continental e ilhas um vasto leque de iniciativas. Envolver públicos e comunidades na descentralização da cultura é um dos objetivos desta “Odisseia”, com início marcado para janeiro.
Comentários