Experimenta Design chama África e junta-se ao Porto e Matosinhos

Até 20 de dezembro, 268 participantes de 22 países entram em cena para a bienal Experimenta Design 2015, naquela que é a nona edição do evento. Na apresentação aos jornalistas, Guta Moura Guedes, diretora da bienal, falava do tema deste ano: “Como é que, no século XXI, cada um de nós pode contribuir para a […]

Até 20 de dezembro, 268 participantes de 22 países entram em cena para a bienal Experimenta Design 2015, naquela que é a nona edição do evento. Na apresentação aos jornalistas, Guta Moura Guedes, diretora da bienal, falava do tema deste ano: “Como é que, no século XXI, cada um de nós pode contribuir para a alteração dos paradigmas, como construímos novas realidades através da mente”.

Nesta edição, Porto e Matosinhos juntam-se a Lisboa para o evento intitulado “As far as the mind can see” (Tão longe quanto a mente pode ver), da mesma forma que a organização chama Angola, Moçambique e São Tomé e Príncipe até Lisboa. De acordo com a diretora, embora a mostra surja “na sequência” da “No Borders” (sem fronteiras) da edição passada, este ano tudo cresce e vai mais além. Dos 268 participantes deste ano, 218 são portugueses: muitos deles correspondem, segundo Moura Guedes, ao que a organização procurou para esta edição. “Designers que tivessem uma compnente de trabalho que revelasse uma personalidade muito forte, que imprima um sentido muito específico do seu trabalho”, quase todos de cariz “político e socialmente comprometido”.

Recomendadas

Trabalhadores do MNE português no Brasil vão ter atualização salarial de 48,9%

Os trabalhadores nos postos consulares e missões diplomáticas no Brasil vão ter as suas remunerações atualizadas em 48,9%, a mesma percentagem da depreciação monetária acumulada do real, segundo legislação publicada em Diário da República.

Turismo de Lisboa espera recuperação na quadra natalícia para níveis próximos de 2019

O turismo da região de Lisboa deverá recuperar na quadra natalícia deste ano, em comparação com 2021, aproximando-se dos números registados antes da pandemia de covid-19, segundo o diretor-geral do Turismo de Lisboa, Vítor Costa.

Patrões portugueses gastam menos com cada trabalhador do que a média europeia

É no Luxemburgo que os patrões pagam mais aos seus trabalhadores por hora trabalhada e na Bulgária onde pagam menos. Portugal está vários lugares acima deste último Estado-membro, mas bem abaixo da média comunitária, revela o Eurostat.