Exploração de recursos naturais espaciais pode gerar mil milhões de euros e reduzir a poluição

Os recursos naturais espaciais como a água e alguns minerais podem ser utilizados como combustíveis ou componentes nas infraestruturas espaciais, e reduzir igualmente o custo das missões. O estudo foi solicitado pela Agência Espacial de Luxemburgo e Portugal é um dos aliados.

Os recursos naturais espaciais como a água e alguns minerais pode ser utilizados como combustível ou componente das infraestruturas espaciais e reduzir igualmente o custo das missões. Na Terra, os elementos podem ser utilizados para a indústria automobilística, medicina, ou componentes elétricos, mas com menos lucros do que o seu uso no Espaço, aponta o estudo realizado pela consultora PricewaterhouseCoopers (PwC) e solicitado pela Agência Espacial de Luxemburgo (LSA).

“Um desenvolvimento desse dimensão poderá acontecer, a única incerteza é quando”, considera Mathias Link, diretor de Relações Internacionais na (LSA). A utilização de recursos naturais espaciais permite, também, reduzir a dependência dos recursos terrestres, que são limitados.

O estudo baseia-se nas agendas das missões espaciais institucionais e privadas previstas até 2045, como o projeto de um possível regresso do Homem à Lua e das explorações em Marte, e sem esquecer do desenvolvimento do turismo espacial.

O documento estima que o desenvolvimento do uso desses recursos poderia gerar entre 845 mil e 1,8 milhão de funcionário a trabalhar em full time até 2045.

Luxemburgo lançou em 2016 o SpaceResources.lu, um programa ambicioso que pretende fomentar atividades económicas no âmbito do Espaço e, mais concretamente, da exploração de recursos naturais no espaço.

O país assinou igualmente uma série de alianças no campo espacial com os Emirados Árabes Unidos, Japão, China, Polónia, Portugal e República Checa. “Estão a negociar outros acordos”, indicou esta semana o ministro luxemburguês da Economia, Etienne Schneider.

Recomendadas

Guterres manifestou a embaixador russo oposição a anexação de territórios

Antes, António Guterres alertou a Rússia que a anexação de territórios ucranianos “não terá valor jurídico e merece ser condenada”, frisando que “não pode ser conciliada com o quadro jurídico internacional”.

Brasil. Equipa assegurará “perfeita realização” das eleições em Portugal

Paulino Franco de Carvalho Neto, secretário de assuntos multilaterais políticos do ministério, designado como Itamaraty, disse em conferência de imprensa no consulado-geral do Brasil em Lisboa que o ministro Carlos França enviou uma equipa para acompanhar os serviços dos consulados em Portugal durante o ato eleitoral.

Preços da energia em Itália vão subir ainda mais apesar de já estarem elevados

O Executivo de Roma já dedicou este ano 60 mil milhões de euros a medidas para procurar reduzir o impacto da subida destes preços.
Comentários