Exportações alemãs aumentam 14,3% em julho e importações sobem 29,3%

As exportações de mercadorias, ajustadas sazonalmente e de calendário, registaram uma subida homóloga de 14,3% em julho, para 131.300 milhões de euros, enquanto as importações aumentaram 29,3%, para 125.900 milhões de euros, segundo os dados provisórios oficiais.

Dinkelsbühl, Alemanha

A balança comercial alemã registou em julho um excedente de 5.400 milhões de euros, com as exportações a subirem 14,3% e as importações 29,3%, anunciou hoje o Departamento Federal de Estatística (Destatis).

As exportações de mercadorias, ajustadas sazonalmente e de calendário, registaram uma subida homóloga de 14,3% em julho, para 131.300 milhões de euros, enquanto as importações aumentaram 29,3%, para 125.900 milhões de euros, segundo os dados provisórios oficiais.

O saldo comercial positivo, no mês em análise, excedeu as previsões dos economistas que esperavam que se situa-se em 4.600 milhões de euros.

Em termos mensais, as exportações alemãs caíram 2,1% em julho, face ao mês anterior, enquanto as importações recuaram 1,5% na comparação o mês precedente.

Os economistas esperavam que as importações alemãs aumentassem 0,4% em julho, em relação ao mês anterior e previam que as exportações caíssem 2,2%, pelo que a queda verificada ficou em linha com o que era esperado.

No mês em análise, as exportações para a Federação Russa diminuíram 15,1% para 1.000 milhões de euros, face a junho e recuaram 55,1% em relação a julho do ano anterior.

Já as importações da Rússia, por sua vez, caíram 17,4% em julho, para 2.900 milhões de euros, na comparação com o mês anterior, segundo o Destatis.

Recomendadas

CMVM: “É notório o crescimento da divergência dos padrões de poupança das famílias portuguesas”

“A poupança de longo prazo exige disciplina e empenho além de, naturalmente, um nível de rendimento que permita poupar. Esta combinação de condições ajuda a explicar o baixo nível de poupança em Portugal e em outros países que nos são próximos”, reconhece Rui Pinto.

Novobanco pesou 37,6% do dinheiro injetado pelo Estado na banca desde 2008 até 2021

A CGD beneficiou de 5.458 milhões de euros; o BES/Novobanco recebeu 8.291 milhões (valor do saldo negativo para o Estado); o BPN consumiu 6.146 milhões; o BPP beneficiou de 268 milhões e o Banif 2.978 milhões. Isto são as causas para o saldo desfavorável para o Estado que soma 22.049 milhões de euros.

Governos podem precisar de taxar empresas de energia para ajudar os mais pobres, diz CEO da Shell

O presidente executivo da Shell considera que o mais importante é “proteger os mais pobres” e como tal os governos podem vir a precisar de taxar empresas de energia. “Há uma discussão a ser feita sobre isso, mas acho que é inevitável” a necessidade de intervenção, considerou.
Comentários