Exportações de bens aumentaram 37,1% e importações 41,6% em junho

Em termos homólogos, as variações resultaram num aumento do défice da balança comercial na ordem dos 903 milhões de euros, revelou hoje o Instituto Nacional de Estatística.

As exportações e importações de bens aumentaram no mês de junho, em termos nominais, 37,1% e 41,6%, respetivamente, (depois de +40,7% e +45,0% em maio) em comparação com o período homólogo. Em consequência, o défice da balança comercial cresceu 903 milhões de euros face a junho de 2021, de acordo com o relatório sobre o comércio internacional, divulgado esta terça-feira, 9 de agosto, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

Os índices de valor unitário (preços) registaram subidas de 18,6% nas exportações e de 26% nas importações.

Registaram-se acréscimos em ambos os fluxos dos fornecimentos industriais (+29,0% nas exportações e +21,2% nas importações), dos combustíveis e lubrificantes (+159,8% e +220,3%, respetivamente) e do material de transporte (+60,6% e +46,1%, pela mesma ordem), em valores nominais.

Excluindo combustíveis e lubrificantes, as exportações e as importações subiram 29,8% e 23,4%, respetivamente. Os índices de valor unitário, deixando de fora os produtos petrolíferos, registaram variações homólogas de +13,0% nas exportações e +14,6% nas importações.

Estas mudanças traduziram-se num agravamento do défice da balança comercial em 903 milhões de euros, resultando num total de 2.522 milhões. Esquecendo combustíveis e lubrificantes, o défice reduziu 9 milhões de euros relativamente a junho do ano passado e fixou-se nos 1.275 milhões de euros.

Olhando ao segundo trimestre do ano, as exportações aumentaram 31,2% e as importações 37,7%, respetivamente, em comparação com o período homólogo.

O INE divulgou ainda os resultados definitivos referentes ao ano de 2021, que apresentam revisões face aos resultados preliminares divulgados em junho, derivado da informação entretanto obtida. As exportações cresceram 18,3% e as importações 22% (mexidas de +0,0 p.p. e +0,6 p.p.), respetivamente.

Recomendadas

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.

Preço médio das casas do Canadá vai custar perto de 500 mil euros até ao fim de 2023

Aumento das taxas de juro acima do previsto pelo Banco do Canadá estão a fazer com que os custos com a habitação consumam 60% das finanças das famílias, o valor mais elevado desde 1990.
Comentários