Exportações do sector agroalimentar aumentam 11,4% e somam 7.709 milhões em 2021

“Os dados agora divulgados pelo INE [Instituto Nacional de Estatística] vêm reforçar a robustez e a relevância do setor agroalimentar para a economia e competitividade do país”, sustenta a ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, citada num comunicado.

As exportações do setor agroalimentar português aumentaram 11,4%, para 7.709 milhões de euros, em 2021 face a 2020, reforçando a “robustez” e a “relevância” da atividade para a economia nacional, destacou hoje o Ministério da Agricultura.

“Os dados agora divulgados pelo INE [Instituto Nacional de Estatística] vêm reforçar a robustez e a relevância do setor agroalimentar para a economia e competitividade do país”, sustenta a ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, citada num comunicado.

Segundo acrescenta, “mantém-se a tendência de crescimento e confirma-se a resiliência que o setor demonstrou, mesmo nos períodos mais difíceis da pandemia”.

De acordo com os dados do comércio internacional do Complexo Agroalimentar (CAA) avançados na quarta-feira pelo INE, o setor fechou 2021 com exportações de 7.709 milhões de euros, acima dos 6.920 milhões de euros de 2020.

“Das atividades que compõem o Complexo Agroalimentar regista-se um crescimento em todas as categorias, com a agricultura e as indústrias de produtos alimentares, bebidas e tabaco a crescerem 5,5% e 12,9%, respetivamente, comparativamente com o ano anterior”, destaca.

Também apontado é o desempenho do setor dos vinhos, cujas exportações aumentaram 8% em 2021 face a 2020.

Já no que se refere às importações do complexo Agroalimentar, registaram um aumento de 11,3% face a 2020, numa “tendência de crescimento que se verifica após o primeiro ano de pandemia (2020), em que as importações do setor diminuíram 4,8% face a 2019”.

Recomendadas

Ministra não prevê falta de alimentos provocada pela seca ou pela guerra

“Criámos, com toda a cadeia alimentar, desde a produção até ao retalho, grupos de acompanhamento para que não haja quebra”, apontou a ministra da Agricultura e Alimentação, Maria do Céu Antunes.

“Uma organização certificada demonstra ao mercado que fornece produtos seguros”

Gabriela Pinheiro, Auditora na Associação Portuguesa de Certificação, coloca em cima da mesa a importância da certificação para as organizações que querem demonstrar ao mercado que têm um sistema capaz de fornecer produtos seguros.

“Os consumidores estão muito mais preocupados com aquilo que comem mas mais sensíveis às modas”

Paula Bico, Diretora do de Serviço de Nutrição e Alimentação da DGAV, alerta sobre a necessidade de mais informação para permitir aos consumidores fazer escolhas informadas.
Comentários