Exportações dos Vinhos do Alentejo sobem para 37,1 milhões de euros

“Brasil, Estados Unidos da América, Canadá, Polónia e Suíça foram os destinos que mais contribuíram para os resultados positivos alcançados”, disse o presidente da Comissão Vitivinícola Regional Alentejana.

As exportações dos Vinhos do Alentejo cresceram 12,4% em valor e 9,7% em quantidade no primeiro semestre deste ano, face a período homólogo de 2021, correspondendo a 37,1 milhões de euros.

“São resultados muito animadores e espero que se consigam manter até ao final do ano”, disse esta terça-feira à agência Lusa Francisco Mateus, presidente da Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA).

Segundo o mesmo responsável, se os resultados positivos se mantiverem serão “excelentes sinais de que o Alentejo está a ganhar força lá fora”.

Em comunicado enviado à Lusa, a CVRA indicou que os resultados das exportações dos Vinhos do Alentejo no primeiro semestre deste ano mantiveram “a tendência de crescimento”, com a subida de 12% em valor e de praticamente 10% em volume, em comparação com o primeiro semestre de 2021.

O que correspondeu a 37,1 milhões de euros e a 10,4 milhões de litros de vinho vendidos para o estrangeiro, face a igual período do ano transato.

“Brasil, Estados Unidos da América (EUA), Canadá, Polónia e Suíça foram os destinos que mais contribuíram para os resultados positivos alcançados”, destacou.

O preço médio por litro de vinho subiu 2,5%, para os 3,57 euros, entre janeiro e junho, com o vinho de Denominação de Origem Controlada (DOC) a registar um crescimento mais acentuado, de 6,1% – para os 5,35 euros – e o Regional a crescer 4% – para os 3,05 euros.

Um índice que “mostra, uma vez mais, que a qualidade dos vinhos alentejanos está a ser valorizada lá fora, com os consumidores dispostos a pagarem um valor mais elevado pelos nossos vinhos”, explicou Francisco Mateus.

Segundo a CVRA, “os bons resultados” obtidos foram alavancados sobretudo pelos mercados brasileiro (+23% em valor e +26% em volume), norte-americano (+21% em valor e +14% em volume), canadiano (+17% em valor e +9% em volume) e polaco (+3% em valor e +1% em volume).

“Também o mercado suíço, o segundo mercado que mais vinho alentejano importa em valor, cresceu mais 9% nesta variável, tendo, no entanto, diminuído o volume em 3%”, acrescentou a comissão vitivinícola.

O presidente da CVRA alertou que, “nos meses de abril a junho”, já se começou “a verificar um abrandamento” do crescimento, o qual, “apesar de tudo, se manteve ainda acima dos números registados no ano passado em todas as variáveis de volume de vinho vendido, preço por litro e valor”.

Esta descida de exportações no segundo trimestre é frequente, pelo que Francisco Mateus disse estar “com muita expectativa” para ver os resultados do terceiro trimestre.

“Estamos com um bom crescimento nos primeiros seis meses e mesmo que seja menor no terceiro trimestre, se o quarto for bom, que para nós é sempre um trimestre pico, conseguiremos ter um ano com desempenho global positivo e crescermos na exportação”, argumentou.

O Alentejo é líder nacional em vinhos certificados, com cerca de 40% de valor total das vendas num universo de 14 regiões vitivinícolas em Portugal.

Com uma área de vinha de 23,3 mil de hectares, 30% da sua produção tem como destino a exportação para cinco destinos principais, designadamente Brasil, Suíça, EUA, Reino Unido e Polónia.

Recomendadas

Confederações agrícolas unem-se contra extinção das direções regionais do sector

Em comunicado conjunto enviado esta quarta-feira às redações, AJAP, CAP, CNA e Confagri referem que o entendimento “unânime” é de que a decisão é “altamente lesiva” para o sector agrícola. No documento, apela-se a que o Governo volte atrás na decisão, de forma imediata e inequívoca.

“Apoio ao rendimento dependerá de produção sustentável”, diz ministra da Agricultura

A ministra da Agricultura e da Alimentação considera que a reforma da Política Agrícola Comum vai valorizar a pequena e média agricultura, de proximidade e circuitos curtos, apostando em simultâneo no reforço da competitividade.

Escola Agrária de Elvas ensina agricultura sustentável há 22 anos

Muito antes das orientações estratégicas da ONU ou de Bruxelas, já o Politécnico de Portalegre, oferecia um mestrado em agricultura sustentável. O tema, um dos grandes desafios da humanidade, impulsiona ofertas no ISA e no IPLeiria.
Comentários