Exportações e importações aceleram nos primeiros três meses de 2022 (com áudio)

O INE reviu as taxas de variação homóloga do comércio internacional e dá nota esta terça-feira de que, nos primeiros três meses do ano, as compras de bens ao exterior cresceram 36,8% face ao período homólogo de 2021, enquanto as vendas aumentaram 18,2%.

O arranque do ano de 2022 ficou marcado pela aceleração das importações e das exportações. Os dados divulgados esta terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que, nos primeiros três meses do ano, as compras de bens ao exterior cresceram 36,8% face ao período homólogo de 2021, enquanto as vendas aumentaram 18,2%, sendo que ambas variações foram revistas face à estimativa provisória publicada no final de abril. Em comparação com o último ano pré-pandemia, as importações e as exportações já estão 25,9% e 21,5% acima, respetivamente.

“No primeiro trimestre de 2022, as exportações aumentaram 18,2% e as importações cresceram 36,8% em relação ao mesmo período de 2021. Comparando com o primeiro trimestre de 2020, as exportações e as importações aumentaram 25,6% e 29%, respetivamente, [e cresceram] 21,5% e 25,9%, pela mesma ordem, face ao primeiro trimestre de 2019”, avança o gabinete de estatísticas, num destaque publicado esta manhã.

De notar que a nota agora conhecida revê as taxas de variação homóloga que tinham sido indicadas na estimativa provisória, retirando-lhes 0,5 pontos percentuais, no caso das exportações, e somando-lhes 0,2 pontos percentuais, no caso das importações. Tal revisão reflete, afirma o INE, “a inclusão de nova informação”.

Já quanto a março, o gabinete de estatísticas indica que as exportações e importações de bens registaram crescimentos homólogos nominais de 13,6% e 30%, respetivamente. “São de salientar os acréscimos nas exportações e importações de fornecimentos industrias (+24,8% em ambos os fluxos) e nas importações de combustíveis e lubrificantes (+132,8%)”, detalha o INE, que salienta que, excluindo precisamente os combustíveis e lubrificantes, as exportações e as importações aumentaram 12,4% e 20,2% face a março de 2021.

No que diz respeito ao défice da balança comercial de bens, março trouxe um aumento de 1.290 milhões de euros face ao mesmo mês de 2021, atingindo 2.415 milhões de euros. “Excluindo os combustíveis e lubrificantes, o défice foi de 1.447 milhões de euros, aumentando 599 milhões de euros, relativamente a março de 2021”, ressalva a o gabinete de estatísticas.

Por outro lado, no destaque agora conhecido, destaca-se o aumento nas exportações e nas importações com Espanha, sobretudo de fornecimentos industriais e de combustíveis e lubrificantes, registado em março. “Destaca-se também o decréscimo nas exportações para o Reino Unido (-8,7%), devido ao material de transporte (automóveis para transporte de passageiros)”, sublinha o INE, que dá ênfase, além disso, ao acréscimo das importações dos EUA, “maioritariamente combustíveis e lubrificantes”.

Recomendadas

“Senhor PRR” alerta que guerra e inflação são riscos acrescidos ao plano

O novo presidente da Comissão Nacional de Acompanhamento do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) considera que a guerra na Ucrânia e a inflação são riscos acrescidos ao plano que precisam de estratégias para serem mitigados.

Pedro Dominguinhos é o novo presidente da comissão de acompanhamento do PRR

A Comissão Nacional de Acompanhamento do PRR era presidida por António Costa Silva, que entretanto tomou posse como ministro da Economia e do Mar no atual Governo.

PremiumIndefinição no SEF gera críticas pela degradação do serviço

Novo adiamento da extinção do SEF leva partes interessadas a questionarem a degradação dos serviços. Agendamentos para reagrupamento familiar chegam a demorar um ano a marcar.
Comentários