Exposição no Museu de Marinha celebra a amizade entre Alberto I do Mónaco e Dom Carlos I

No âmbito das comemorações do centenário do desaparecimento do Príncipe Alberto I do Mónaco, o Museu de Marinha de Lisboa irá acolher uma exposição organizada pelo Comité Albert Ier – 2022. Estará patente ao público a partir de dia 15. A inauguração, na véspera, conta com a presença do atual Príncipe do Mónaco, Alberto II.

Alberto I do Mónaco

No âmbito das comemorações do centenário do desaparecimento do Príncipe Alberto I do Mónaco, o Museu de Marinha de Lisboa irá acolher uma exposição organizada pelo Comité Albert Ier – 2022, propondo um percurso inédito dedicado aos laços entre o monarca monegasco e Portugal.

A exposição, a ser inaugurada no próximo dia 14 de outubro pelo Príncipe Alberto II do Mónaco e por Marcelo Rebelo de Sousa, prestará homenagem à amizade entre os dois soberanos oceanógrafos, o Príncipe Alberto I do Mónaco (1848-1922) e o Rei Dom Carlos I de Portugal (1863-1908), destacando as viagens e campanhas científicas do Príncipe Alberto I à Madeira, aos Açores e a Lisboa.

“A incontestável paixão pelo mar do Príncipe Alberto I do Mónaco, partilhada à época pelo Rei Dom Carlos I de Portugal, constitui um marco na amizade entre os dois países. Os dois monarcas, que se tratavam por tu e trocaram uma abundante correspondência, anteviram há mais de um século todas as potencialidades dos oceanos. Esta exposição é uma bela homenagem a uma relação secular, assim como um relevante e fiel retrato das ilhas portuguesas em finais do século XIX e inícios do século XX”, explica Robert Fillon, Presidente do Comité Albert Ier – 2022, em comunicado.

O Príncipe Alberto I do Mónaco desloca-se pela primeira vez a Lisboa em 1873. Mais tarde, em 1879, visita a Madeira, onde conhece a sua segunda esposa. A partir de 1885, realiza as suas campanhas oceanográficas essencialmente em águas portuguesas, mas também no Atlântico Norte, nas Ilhas Spitzberg e no Mediterrâneo. Foram efetuadas 3698 estações oceanográficas no total, utilizando aparelhos que, na sua grande maioria, foram criados ou melhorados pelo Príncipe e seus colaboradores.

“Esta exposição apresenta uma grande diversidade de objetos e obras, instrumentos científicos, quadros, documentos de arquivo e fotografias inéditas, provenientes de coleções monegascas e portuguesas, públicas e privadas”, destacam os curadores da exposição: Michaël Bloche, diretor da Missão de Prefiguração dos Arquivos Nacionais do Mónaco, Thomas Fouilleron, diretor dos Arquivos e da Biblioteca do Palácio do Mónaco, Stéphane Lamotte, Secretário do Comité Albert Ier – 2022 e Vincent Vatrican, diretor do Instituto Audiovisual do Mónaco.

A exposição conta com o apoio do Aquário Vasco da Gama e do Museu de Marinha de Lisboa, do Arquivo e Biblioteca da Madeira, do Museu Carlos Machado de Ponta Delgada, dos Arquivos do Palácio do Mónaco, do Instituto Audiovisual do Mónaco e do Museu Oceanográfico do Mónaco.

A mostra está explicada em português e em francês.

Estará patente ao público a partir de 15 de outubro e até 18 de dezembro de 2022, todos os dias, das 10h00 às 17h00, no  Museu da Marinha

Recomendadas

Louisville: uma iniciativa solidária de Pedro Sousa Pereira e Mário Cruz

O jornalista Pedro Sousa Pereira acaba de editar o álbum “Louisville”, com o fotojornalista Mário Cruz e vários músicos portugueses, que é “um manifesto” sobre a arte na prevenção do crime, a partir da realidade social norte-americana”. A iniciativa é um projeto solidário.

Évora é a cidade portuguesa que venceu a corrida ao título de Capital Europeia da Cultura 2027

O anúncio foi feito hoje, pelas 16h30, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa. Évora é a cidade que vai vestir o título de Capital Europeia da Cultura em 2027.

Filme “Alma Viva”, de Cristèle Alves Meira, considerado elegível para os Óscares

O filme “Alma Viva”, da realizadora luso-francesa Cristèle Alves Meira, foi considerado elegível para uma nomeação aos Óscares de 2023, revelou a Academia de Cinema dos Estados Unidos.
Comentários