Extrema-direita francesa felicita-se pelo “tsunami” eleitoral nas legislativas

“É uma vaga de azul-marinho por todo o país. A lição desta tarde é que o povo francês faz de Emmanuel Macron um Presidente minoritário”, declarou Jordan Bardella à estação televisiva TF1, na sequência das primeiras projeções que fornecem entre 60 a 100 deputados à Assembleia nacional para o RN, um resultado histórico.

7 – Franca

O presidente interino do Rassemblement National (União Nacional, RN), felicitou-se hoje pelo ‘tsunami’ realizado pela sua formação nas legislativas francesas.

“É uma vaga de azul-marinho por todo o país. A lição desta tarde é que o povo francês faz de Emmanuel Macron um Presidente minoritário”, declarou Jordan Bardella à estação televisiva TF1, na sequência das primeiras projeções que fornecem entre 60 a 100 deputados à Assembleia nacional para o RN, um resultado histórico.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, terá mantido parte considerável lugares no Parlamento mas perdeu a maioria absoluta, referem as primeiras projeções que também confirma a forte subida da extrema-direita.

Caso se confirmem estes resultados, significam um importante revés para o Presidente francês, que será forçado a procurar alianças para aplicar o seu programa de reformas nos próximos cinco anos.

Segundo as primeiras projeções dos institutos de sondagens, a coligação Ensemble! (Juntos!) do Presidente obterá entre 200 e 260 lugares, muito longe da maioria absoluta de 289 deputados (num total de 557) na Assembleia nacional.

Por sua vez, a aliança de esquerda Nova União Popular Ecológica e Social (NUPES), liderada por Jean-Luc Mélenchon, situa-se entre 150 e 200 deputados, tornando-se no primeiro grupo da oposição no Parlamento, segundo as projeções.

O partido de extrema-direita Rassemblement National (União nacional, RN), de Marine Le Pen, garante entre 60 e 100 deputados segundo as mesmas fontes, o que representa um considerável reforço do seu grupo parlamentar face aos atuais oito assentos.

Sem surpresa, este escrutínio, o quarto em dois meses após as presidenciais, registou uma taxa de abstenção situada entre os 53,5% e os 54%, mas sem atingir o recorde da segunda volta presidencial de 2017 (57,36%). O valor é superior ao registado na primeira volta, no domingo passado.

A repartição definitiva dos 577 lugares do Parlamento apenas deverá ser conhecida no final da noite.

Depois de, na primeira volta das eleições presidenciais francesas, a coligação de esquerda NUPES e a coligação presidencial Juntos! terem ficado separadas por cerca de 20 mil votos, Macron vinha repetindo os apelos a um “sobressalto republicano” nesta segunda volta. Pelo contrário, Jean-Luc Mélenchon, tinha pedido que estas eleições fossem uma “terceira volta” das eleições presidenciais.

Relacionadas

Emmanuel Macron perde maioria absoluta nas legislativas francesas

Primeiras projeções da segunda volta das eleições legislativas francesas apontam para uma perda da maioria absoluta de Emmanuel Macron assim como uma forte subida da extrema direita.

Seixas da Costa: “Macron está muito fragilizado. Resultado vai refletir-se no posicionamento europeu”

Seixas da Costa considera que “Macron está muito fragilizado. Não encontramos nestes resultados espaço de manobra para qualquer tipo de ponte com Melenchon. Também há aqui uma subida muito significativa de Marine Le Pen”, regista o embaixador e comentador do programa “A Arte da Guerra” à CNN.

Silêncio total na sede de campanha da coligação de Macron após divulgação de projeções

Na sede de campanha da coligação Juntos! (Ensemble!, em francês), no 8.º bairro de Paris, cerca de três dezenas de simpatizantes começaram a juntar-se, pouco antes das 20:00 (19:00 de Lisboa) à frente dos dois ecrãs televisivos que se encontram na sala onde o deputado Sylvain Maillard, candidato nestas legislativas pelo 1.º círculo eleitoral de Paris, irá discursar.
Recomendadas

Irão aceitará Acordo Nuclear mediante compromissos

Fonte não identificada afirmou que o último relatório com propostas apresentado pela União Europeia é “aceitável”, mas com algumas garantias, nomeadamente no que tem a ver com sanções e controlo do plano nuclear.

Venezuela e Colômbia iniciam normalização das relações

Os dois países vão trocar embaixadores na tentativa de restabelecer laços que se perderam há mais de três anos e que a vitória de Gustavo Petro nas presidenciais colombianas permitiu.

Turquia estreita laços com o Paquistão

A assinatura de um acordo para aumentar o comércio bilateral é considerada uma alavanca para aproximar os dois países islâmicos, o que pode ser fundamental para reequilibrar forças antagónicas na região.
Comentários