EY nomeia 16 novos sócios em Portugal, Angola e Moçambique

As promoções surgem de âmbito da nomeação de 830 novos ‘partners’ da consultora a nível global, que vão iniciar funções nesta nova posição a partir do próximo dia 1 de julho.

A EY anunciou esta segunda-feira que promoveu 16 novos partners em Portugal, Angola e Moçambique, no âmbito da nomeação de 830 novos sócios da consultora a nível global, que vão iniciar funções nesta posição a partir do próximo dia 1 de julho.

Dos 16 que subiram de posto em Portugal, Angola e Moçambique, cinco integram a área de Fiscal, três a de Estratégia e Transações, três Consultoria, quatro na área de Serviços Financeiros e um na de ‘Assurance’ (auditoria, contabilidade…).

“É com as pessoas – e com o talento que põem ao serviço da organização e da comunidade, num constante exercício de inteligência, vontade e empenho – que somos capazes de materializar o nosso propósito e de contribuir para construir um mundo de negócios melhor”, explica o country managing partner da EY Portugal.

João Alves acredita que estes 16 profissionais que subiram na hierarquia da EY Portugal, Angola e Moçambique são de “mão-cheia”. “Que nesta posição de liderança, à qual ascenderam por mérito na escada da carreira profissional que estão a fazer, possam ser exemplo e inspiração para os que, como eles, encaram o futuro de frente, com ambição e com esperança”, espera o líder nacional da consultora.

A promoção dos 830 novos partners a nível global foi a maior de sempre da história da empresa. Neste movimento, mais de um terço (35%) são mulheres, o que também foi um número recorde. Em termos geográficos, as Américas distinguiram-se como a região com o maior número de promoções (341), seguidas pela Europa, Médio Oriente, Índia e África (EMEIA), com 290, e pela Ásia-Pacífico, com 199.

Na opinião da presidente e CEO global da EY, esta é uma “conquista excecional” de todos. “Cada um deles atingiu esse marco em circunstâncias difíceis, o que é uma prova da sua liderança e compromisso com os valores da EY. O sucesso da EY é possibilitado por esses diversos líderes e a sua promoção é o resultado da sua dedicação aos clientes, equipas e ao propósito da EY de construir um mundo de negócios melhor”, afirmou Carmine Di Sibio.

Em relação aos departamentos, ‘Assurance’ foi responsável por um terço dos novos partners (270), dos quais 220 integram a área de Auditoria. Seguiu-se a Consultoria, com 205, Fiscal (Tax) com 189, e Estratégia e Transações (Strategy and Transactions), com 145. Por fim, há 21 novos partners no apoio ao negócio (2%), de acordo com a informação transmitida pela EY.

“A EY está focada no desenvolvimento da próxima geração de líderes transformadores e em capacitar as pessoas da EY para construírem as carreiras que desejam. Este grupo de novos partners trará a sua experiência e competências diversas para atender melhor os clientes da EY, ao mesmo tempo que permanecerá focado na ambição mais ampla da EY de criar valor de longo prazo para todos”, acrescentou o vice-presidente global de Talento na EY, Trent Henry.

Recomendadas

“Falar Direito”. “Reestruturações? Quanto mais cedo se tomar decisões, maior é a probabilidade de sucesso”

“Em Portugal, há uma tendência para que os empresários não olhem para o problema no momento em que tem de ser olhado. Quanto mais cedo se tomar decisões, se fizer reestruturações (seja ela de passivo ou da atividade) maior é a probabilidade de sucesso”, considerou o advogado Nuno Gundar da Cruz no programa da JE TV.

Reestruturação de empresas: o que muda com as novas regras? Ouça o podcast “Falar Direito”

Nuno Gundar da Cruz, sócio da Morais Leitão e coordenador da equipa de reestruturação e insolvência desta sociedade de advogados, é o convidado de Mariana Bandeira, jornalista do JE, no podcast “Falar Direito”.

“Falar Direito”. “Lei das reestruturações e insolvências não deve ser vista como legislação da hora da morte”

“Temos que olhar para a legislação de reestruturações e insolvências não como legislação da hora da morte das empresas mas como legislação fundamental para qualquer país que quer ser competitivo na atração de investimento”, destacou o advogado Nuno Gundar da Cruz no programa da JE TV.
Comentários