Fábrica do Ribeiro Sêco quer exportar mel de cana para a Ásia

A empresa tem a expetativa de retomar o contacto com a Rússia, depois de uma experiência que não teve continuidade. E acredita que vai entrar no mercado asiático com o mel de cana ainda este ano.

A Fábrica de mel de cana do Ribeiro Sêco està constantemente à procura de novos mercados. Ao Económico Madeira, João Melim, responsável da empresa, afirma que o objectivo é entrar em mercados como a Rússia ou os países asiáticos.

“Estamos em Inglaterra, Continente, Açores”, explica. “Estamos a tentar abrir mais mercados e andamos sempre numa procura constante de novos parceiros nesse setor para nos ajudar a escoar o produto”, confessa.

A fábrica para além do mel de cana produz também produtos como broas e bolo de mel. João Melim diz que estes novos produtos tiveram um crescimento lento. “As pessoas estavam só com a ideia que fazíamos mel de cana”, admite.

“Não é nosso intuito roubar consumidores a clientes nossos, que também produzem o bolo e a broa de mil”, clarifica. “Queremos mostrar qualidade perante outros fornecedores”, destaca João Melim.

O responsável pela empresa afirma que pretende manter o padrão de qualidade em toda a gama de produtos.

As exportações representam 10% das vendas da Fábrica do Ribeiro Sêco, de acordo com João Melim. A expetativa do responsável pela empresa é que esse valor chegue aos 15% em 2018, o que no seu entender seria muito bom.
“O mercado nacional procura cada vez mais o nosso produto”, destaca João Melim. “E isso dá-nos um certo conforto”.

A empresa anda constantemente à procura “de novos distribuidores no mercado nacional” com o objetivo de depois poderem ajudar a levar os produtos desta empresa para fora de Portugal.

João Melim anuncia que a Fábrica do Ribeiro Sêco, desde o início de 2017, anda a tentar entrar no mercado asiático do qual diz ter “caraterísticas muito próprias” apesar de ainda não ter conseguido levar o produto para testes neste território.

A entrada no mercado asiático afirma João Melim permitiria trazer uma “nova dinâmica” ao setor desde “o agricultor até á fase final”. No seu entender o mercado madeirense é “muito restrito”.

“Tem que haver mais estabilidade a nível de uma economia dentro do setor” e deve existir “defesas de fora para dentro”, refere João Melim acrescentando que “muitas dessas defesas por muito que queiramos não estão nas nossas mãos”.

O timing do parceiro é o que está a impedir que a empresa ainda não esteja no mercado asiático clarifica o responsável pela empresa.

A expetativa de João Melim é que o mel de cana chegue até ao final do ano a este mercado e que depois arraste os outros produtos.

“Será uma quantidade pequena para testes. Depois uma quantidade maior”, refere João Melim.

Esta possível entrada no mercado asiático acredita o responsável pela empresa “pode criar uma dinâmica diferente”.
João Melim esclarece que a fábrica já fez dois testes fora da Madeira com o bolo de mel.

Esses testes diz João Melim resultaram numa “óptima receção” na Polónia e na Rússia mas depois o negócio acabou por não ter continuidade.

“Na Rússia o produto foi muito elogiado mas neste momento estão numa recessão económica e estão a complicar a continuidade da expedição do produto”, realça João Melim.

“Este mercado é importante e tínhamos a esperança que todos os anos iríamos enviar uma certa quantidade do produto”, explica o responsável pela empresa.

João Melim afirma que tem a expetativa de poder voltar ao mercado russo e que as conversações continuam.

Quanto à Polónia, João Melim refere que a experiência não correu tão bem, por não conhecer tão bem o mercado, mas esclarece que brevemente vai entrar em contacto para retomar o negócio.

Os mercados fora da Madeira têm sido uma das formas de escoar o produto explica João Melim.

“Nós vemos um cenário complicado para a nova produção dado o stock elevadíssimo que temos” esclarece.

João Melim acrescenta que pagar o transporte e a saída da mercadoria também “tem os seus custos” a que acresce toda a “matéria inerente à embalagem” que vem de fora da Madeira.

Relacionadas

“O mercado tornou-se agressivo”

Engenho está atento às potencialidades do ‘Boom’ do turismo.

“O nosso mel de cana é um produto muito versátil”

O responsável pela empresa refere que é difícil inovar no setor. Mesmo assim a Fábrica do Rio Sêco procura apostar noutros produtos com mel.
Recomendadas

Madeira: Dívida da Administração Pública Regional cresce 2,6 milhões de euros no segundo trimestre

Os dados são da Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM), que indicam também que face ao trimestre anterior houve uma redução de 300,7 milhões de euros, ou seja um diminuição de 5,7%.

Presidente da Assembleia da Madeira alerta para necessidade de preservar património edificado

O presidente da Assembleia Regional disse esperar que “a voragem da construção não dê cabo” de obras notáveis e marcantes da arquitetura da Madeira e dos Açores. “Em vez de erguermos parques temáticos a recriar o que temos, era bem mais importante tentar recuperar e conservar o que resta da nossa história”, acrescentou José Manuel Rodrigues.

Câmara do Funchal anuncia lançamento de plataforma para acompanhamento de licenciamentos urbanísticos

O presidente da autarquia quer também “desburocratizar o sistema” e aproximar os arquitetos da “realidade pública”.
Comentários