Facebook desliga temporariamente algumas funcionalidades do Messenger e Instagram

Os ‘stickers’ e os inquéritos no Facebook Messenger não estão disponíveis.

O Facebook está a notificar os utilizadores das aplicações Messenger e Instagram na Europa que algumas funcionalidades estão desativadas temporariamente. Esta notificação está a ser feita através de uma mensagem que aparece no topo do ecrã destas aplicações, que indica que as funcionalidades não estão disponíveis para “respeitar as novas regras para os serviços de mensagens na Europa”.

O Facebook não indica exatamente que funcionalidades vão estar indisponíveis, mas, segundo as páginas de apoio técnico que os inquéritos, tanto no Messenger, Instagram estão desativados na Europa, bem como os stickers no Instagram e as respostas personalizadas no Messenger. Outras funcionalidades desativadas podem incluir o envio de alguns tipos de ficheiros no Messenger, alcunhas ou a impossibilidade de se partilharem efeitos de realidade aumentada nas mensagens diretas no Instagram.

O Facebook desativou estas funcionalidades para cumprir as novas regras relacionadas com a utilização de dados na União Europeia. Estas regras fazem parte da Diretiva de Privacidade e Comunicações Electrónicas aprovada em 2002 e que agora está a ser transposta para as leis nacionais dos países da União. Esta diretiva impõe regras mais apertadas para a utilização de dados pessoais por parte de serviços de comunicações que operam nos países da União Europeia.

Não há indicação sobre quando é que estas funcionalidades vão voltar a estar disponíveis, mas em declarações ao site “The Verge” um porta-voz do Facebook assegurou que será “muito em breve”.

PCGuia
Recomendadas

I&D. Europa pode captar entre 2 a 4 biliões de euros por ano até 2040 se inverter tendência atual

Neste momento, as empresas europeias estão a apresentar um crescimento económico mais lento, a gerar rendimentos mais baixos, e a investir menos em Inovação e Desenvolvimento (I&D) do que as suas homólogas americanas, em grande parte porque estão tecnologicamente atrasadas, refere o estudo do McKinsey Global Institute (MGI).

“Há interessados em criar Zonas Livres Tecnológicas para criptomoedas”, diz secretário de Estado da Digitalização

Mário Campolargo, em entrevista ao Jornal Económico, explica os objetivos do Governo em renovar a Estratégia de Blockchain e Web3 e garante que há interesse por parte de vários ‘players’ em testar moedas virtuais nos espaços livres de constrangimentos regulatórios.

Empresas reafirmam investimento contra riscos cibernéticos

A cibersegurança é uma prioridade para as empresas. O reforço do investimento na proteção de contra ataques mantém-se apesar da conjuntura atual marcada pela subida dos custos. 
Comentários