Facebook partilhou dados de utilizadores com Huawei, Lenovo, OPPO e TCL

Os dados em causa incluem convicções religiosas, tendências políticas, rede de amigos no Facebook, adesão a eventos e estado civil, sendo que a rede social diz que a informação foi partilhada de forma “controlada”.

A rede social Facebook admitiu esta quara-feira, 6 de junho, ter partilhado informação de utilizadores com os fabricantes chineses Huawei, Lenovo, OPPO e TCL. A confirmação surgiu depois de o “The New York Times” ter noticiado, na terça-feira, que a rede social estabeleceu acordos com 60 fabricantes de dispositivos móveis, que tiveram acesso sem o consentimento explícito a vários dados pessoais de utilizadores.

Os dados em causa incluem convicções religiosas, tendências políticas, rede de amigos no Facebook, adesão a eventos e estado civil. Contudo, Francisco Varela, um dos vice-presidentes da empresa cotada no Nasdaq, diz que a informação foi partilhada de forma “controlada”, com o objetivo de facilitar o acesso dos utilizadores aos serviços da rede social  a partir dos dispositivos da Huawei, Lenovo, OPPO e TCL.

Nos Estados Unidos o caso ganha dimensão, na sequência do escândalo Cambridge Analytica, uma vez que a Huawei  é considerada pela administração de Donald Trump como uma potencial ameaça à segurança nacional.

O fabricante chinês Huawei esteve sob investigação pelo congresso norte-americano e um relatório de 2012 considerou que a empresa tem uma relação próxima com o Partido Comunista Chinês. Este ano, agências governamentais e o exército norte-americano baniram a venda de telemóveis fabricados pela Huawei em instalações governamentais, como em bases militares, devido a questões de segurança.

Sobre a Huawei, Francisco disse ainda: “Queremos clarificar que toda a informação partilhada com o Huawei foi armazenada nos dispositivos e não nos servidores do Huawei”.

Em Portugal, a Huwaei já investiu 40 milhões de euros, de acordo com dados da Agência para o Invbestimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) desde 2004. A Huawei tem escritórios e um centro de inovação em Lisboa. É também uma das principais empresas-parceiras da Altice Portugal.

A investigação do “The New York Times” pode agravar a pressão política que existe sobre a Facebook para rever e melhorar a política de privacidade dos utilizadores da rrede social.

No mês de abril, o CEO e fundador da Facebook, Mark Zuckerberg, foi ouvido pelo congresso dos EUA, para esclarecer a ligação da rede social com a consultora Cambridge Analytica, que teve acesso indevido a dados privados de 87 milhões de utilizadores.

Zuckerberg foi ouvido em maio no Parlamento Europeu e pediu desculpa pelo uso indevido de dados pessoais dos utilizadores.

 

Relacionadas

DECO vai processar Facebook e exigir indemizações por uso indevido de dados

“O nosso objetivo é garantir que os portugueses com conta naquela rede social sejam indemnizados pelo uso massivo e indevido dos seus dados”, afirma a DECO.

“Evasivo” e “insuficiente”. Carlos Zorrinho define esclarecimentos de Zuckerberg no Parlamento Europeu

Zuckerberg “sabe que os valores pelos quais se rege a sociedade europeia são diferentes daqueles que permitiram que a partir dos EUA a rede Facebook se tivesse desenvolvido com reduzida regulação externa e interna”, realçou o eurodeputado.

“Não temos feito o suficiente”. Zuckerberg admite falhas na gestão do Facebook ao Parlamento Europeu

Mark Zuckerberg garantiu que se está a esforçar em tornar as publicações do Facebook mais transparentes e seguras e sublinhou que a prioridade é ajudar a aproximar mais as pessoas.
Recomendadas

Dificuldades em pagar as contas? Processo de insolvência singular pode ser um caminho

O consumidor em situação ou na iminência de incumprimento e sem qualquer perspetiva, a médio ou longo prazo, de que a sua situação financeira se altere poderá recorrer ao tribunal para pedir a insolvência singular.

Comparadora de seguros HelloSafe recebe mais quatro milhões para expandir em Portugal

“Este financiamento irá apoiar a nossa ambição de nos tornarmos a plataforma internacional número um em Portugal para comparar produtos financeiros e de seguros”, diz Oleksiy Lysogub, cofundador da empresa canadiana. ‘Insurtech’ vai contratar 40 pessoas.

Saiba que tipo de informação é dada pela nova etiqueta energética

A informação que consta da etiqueta varia conforme o equipamento, mas existe um conjunto de informação comum.
Comentários