Facebook quer impulsionar e-commerce

O Facebook quer que os seus utilizadores comprem roupas e outros produtos a partir dos seus smartphones sem que tenham de sair da aplicação. Num enorme esforço para ir além na sua plataforma de e-commerce e poder competir com as ofertas da Amazon, o Facebook anunciou que está a testar vários recursos de publicidade que […]

O Facebook quer que os seus utilizadores comprem roupas e outros produtos a partir dos seus smartphones sem que tenham de sair da aplicação.

Num enorme esforço para ir além na sua plataforma de e-commerce e poder competir com as ofertas da Amazon, o Facebook anunciou que está a testar vários recursos de publicidade que permitem aos utilizadores comprar diretamente no Facebook.

A verdade é que são poucos os utilizadores que fazem compras nos smartphones (valem apenas 2% das vendas de e-commerce de acordo com a eMarketer) uma vez que o processo é considerado moroso mas o Facebook pretende angariar mais receitas suavizando processo.

“Procuramos dar às pessoas um caminho mais fácil para encontrar produtos que irão interessá-las no smartphone, tornar as compras mais fáceis e ajudar os negócios a direcionar as vendas”, realçou a diretora de marketing de produtos para comércio do Facebook, Emma Rodgers.

OJE

Recomendadas

‘Cyber Monday’ regressa e promete dominar os mercados

A tradição norte-americana tem lugar todos os anos na segunda-feira a seguir à Black Friday e 2022 não é exceção à regra.

PAN propõe incentivos para “representação equilibrada” de género nas empresas

A deputada única do PAN, Inês de Sousa Real, propõe a criação de incentivos à “representação equilibrada” de género nas administrações das sociedades comerciais de forma a “assegurar uma quota mínima” de mulheres “superior a 40%”.

Pré-acordo na Autoeuropa prevê aumento salarial de 5,2% já em dezembro

A Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa anunciou hoje um um pré-acordo com a administração da fábrica de automóveis de Palmela para um aumento extraordinário de 5,2% que anula o aumento de 2% previsto para 2023.