Facebook, Youtube e Twitter unem-se contra o terrorismo

Os utilizadores acreditam que os gigantes tecnológicos têm poder suficiente para lidar com o problema do terrorismo.

Brendan McDermid/Reuters

A tecnologia é a nova ferramenta de combate ao terrorismo. Algumas das maiores e mais conhecidas empresas tecnológicas criaram uma base de dados partilhada que pretende facilitar e tornar mais eficaz a luta contra o terrorismo, seguindo continuamente potenciais terroristas através das plataformas digitais.

O Facebook, o Twitter e o YouTube da Google são as plataformas de partilha de imagens e vídeo que tomaram medidas no sentido de estabelecer ‘impressões digitais’ que identifiquem de uma forma rápida os perigos iminentes e que podem ainda ser utilizadas como forma de exterminar propaganda terrorista, segundo a CNN.

Uma iniciativa que vem no seguimento dos muitos apelos das organizações governamentais e também dos utilizadores que confiam que as gigantes tecnológicas têm poder suficiente para ajudar a lidar com o problema do terrorismo.

 

Recomendadas

Black Friday faz volume de pagamentos com Ifthenpay aumentar 18% em novembro

A Ifthenpay, empresa portuguesa especializada e líder de mercado em pagamentos digitais para empresas, anunciou que registou um crescimento de mais 18% ao longo do mês de novembro na movimentação financeira através dos seus pagamentos digitais (+95,5 milhões de euros), e por comparação com período homólogo do ano anterior.

BPI distribui presentes de Natal a crianças no país

A edição de 2022 deverá mobilizar milhares de pessoas – entre trabalhadores sociais, voluntários, colaboradores e clientes do banco – para realizar os desejos de crianças apoiadas por instituições sociais que lutam contra a pobreza infantil em todo o país.

Exigir participação de mulheres em conferências é o novo grito pela igualdade

O BNP Paribas Portugal assumiu o compromisso de garantir 40% de mulheres no Comité Executivo do Banco e no G100 até 2025 e de não participar em conferências em cujos painéis não estejam mulheres. Acordo com movimento francês Jamais Sans Elles foi oficializado no dia 10 de novembro.
Comentários