Factoring cresceu 13,2% e Leasing sobe 8,8% até setembro

O Factoring cresceu 13,2% para um valor de produção de 22 mil milhões, até setembro e o setor do Leasing terminou os primeiros nove meses de 2018 com crescimento, em particular na Locação Mobiliária, que apresentou um aumento estimado de 8,8%, correspondendo a um valor de produção de quase 1,7 mil milhões de euros.

De acordo com as estimativas reveladas pela Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting (ALF) o setor do Factoring cresceu a dois dígitos, nos primeiros nove meses, com as associadas da ALF a tomarem quase 22 mil milhões de euros em faturas, o que representa um aumento de 13,2%, relativamente ao mesmo período do ano passado.

A maior procura registou-se na atividade internacional (importação e exportação), que atingiu os 3,6 mil milhões de euros, ou seja, um crescimento homólogo de 24,3%, diz a associação.

A actividade que consiste na venda dos créditos comerciais de curto prazo por parte de uma empresa (Aderente), a uma instituição financeira (Factor) para dar liquidez imediata às empresas, continua a registar crescimento.

O Factoring Doméstico também manteve a linha ascendente, totalizando uma produção de 10,4 mil milhões de euros, o que significa um aumento de 3,5% face ao ano anterior. Neste caso, o Factoring Sem Recurso – serviço em que as empresas podem incluir a gestão e a cobrança dos créditos, bem como a cobertura dos riscos de insolvência ou incumprimento por parte dos seus devedores, o que confere uma segurança acrescida nas vendas a crédito – “foi determinante para se atingir este valor, com uma produção estimada de 6,5 mil milhões de euros”, lê-se no comunicado.

Por sua vez o Confirming – instrumento através do qual a instituição de Factoring efetua o pagamento aos fornecedores do seu cliente, podendo também assumir a forma de adiantamento – cresceu a uma taxa de 23,3%, atingindo os 7,8 mil milhões de euros, isto é, cerca de 1,5 mil milhões de euros a mais do que em 2017, revela a ALF.

“Os produtos de financiamento especializado continuaram a apresentar uma forte evolução nos primeiros nove meses do ano face ao período homólogo de 2017”, conclui a associação.

Leasing cresce até setembro

De acordo com as estimativas da ALF, o setor do Leasing terminou os primeiros nove meses de 2018 com crescimento, em particular na Locação Mobiliária, que apresentou um aumento estimado de 8,8%, correspondendo a um valor de produção de quase 1,7 mil milhões de euros.

O Leasing Automóvel contribuiu com mais de 1,1 mil milhões de euros, ao passo que o Leasing de Equipamentos teve uma participação de 561 milhões de euros.

A produção da Locação Financeira Imobiliária nesses nove meses observou igualmente um aumento, na ordem dos 3,1 por cento, atingindo um valor de 571 milhões de euros.

Entre janeiro e setembro de 2018, segundo as estimativas da ALF, o Renting de viaturas em Portugal cresceu 20,5% em valor de produção face ao período homólogo do ano anterior, perfazendo 545 milhões de euros.

O número de viaturas novas adquiridas em Renting ascendeu assim a 27.785 (incluindo veículos ligeiros de passageiros e comerciais). Já quanto à frota automóvel gerida pelas Rentings, o valor subiu para 1,7 mil milhões de euros, traduzindo-se num crescimento de 6,5%, com um total de viaturas estimado em 112.580.

No comunicado, o Presidente da ALF, Paulo Pinheiro, diz que “estas estimativas refletem o crescimento sustentado do financiamento especializado, muito graças às pequenas e médias empresas, que confiam cada vez mais nesta opção, reconhecendo a transversalidade dos seus benefícios, nomeadamente pela competitividade, flexibilidade e adaptabilidade que representam. A este ritmo, é de prever que a tendência se mantenha ao longo do próximo ano, com os nossos produtos a contribuírem com uma importância substancial para a economia real”.

Recomendadas

PremiumMontepio suspende projeto para retirar 700 milhões de malparado

Chama-se “Projeto Douro” e pretendia retirar do balanço do banco entre 600 a 700 milhões de imóveis e crédito malparado a grandes empresas. Mas o processo está parado e sem data de retoma.

Laginha de Sousa defende a tributação do carbono para alinhar os incentivos privados com os objetivos sociais

Numa intervenção nas ESG Talks, o ainda administrador do Banco de Portugal e futuro presidente da CMVM, Luís Laginha de Sousa, citou um estudo recente da consultora McKinsey, que constata que mais de 90% das empresas do S&P 500 publicam atualmente algum tipo de relatório sobre sustentabilidade ESG. 

Fundação Santander lança mil bolsas para curso de negócios digitais

A Fundação Santander lançou mil bolsas que dão acesso ao curso Digital Business Development do Técnico+ Formação Avançada, unidade de pós-graduação do Instituto Superior Técnico.
Comentários