De instituto para universidade: Falar para fora implica mudar de nome de politécnicos

No estrangeiro, a designação Instituto Politécnico gera equívocos. Sobre a mesa está uma proposta, “Universidade Politécnica”, para abrir portas.

Foto cedida

Numa altura crucial da sua internacionalização, o ensino superior politécnico vê na atual designação uma dificuldade que tem de ser ultrapassada através de uma mudança de nome.

“Lá fora é difícil explicar o que é um instituto politécnico. Especialmente na América Latina e na Ásia, a palavra Instituto confunde-se com o ensino secundário vocacional, originando erros de perceção e dificuldades adicionais na captação de alunos internacionais”, explica Pedro Dominguinhos, presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP) ao Educação Internacional. Já na Europa, acrescenta, a maior parte das instituições congéneres dos institutos politécnicos portugueses são universidades de ciências aplicadas ou universidades politécnicas.

A mudança de nome é uma das propostas do “Ensino Superior para Todos”, documento lançado em julho pelo Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP) e entregue ao Governo, uma espécie de caderno de encargos para a legislatura. A designação passaria de Institutos Politécnicos para Universidades Politécnicas. Pedro Dominguinhos explica o porquê da escolha. Universidades “é a denominação global comummente aceite e que promove a afirmação internacional do sistema politécnico, ao mesmo tempo que mitiga um estigma social existente na sociedade portuguesa”. E Politécnicas “clarifica a diferenciação que o sistema binário exige e assegura a continuidade de um sistema que evoluiu e se consolidou nos últimos 40 anos”.

O objetivo não é imitar as universidades, nem ocupar o lugar destas. Não é isso que está em causa. “Queremos manter a nossa missão, aquela que nos está consagrada. A mudança visa sobretudo a afirmação internacional de um nome, e a afirmação social, que também é muito relevante”, salienta Pedro Dominguinhos.

A rede pública de ensino superior politécnico é composta por 15 politécnicos, cinco escolas não integradas e sete universidades, das quais cinco têm assento no CCISP.

Recomendadas

Três praias de Oeiras interditadas a banhos

As praias de Caxias, Santo Amaro de Oeiras e Paço de Arcos foram interditadas a banhos, desde sexta-feira, depois das análises à qualidade da água revelarem valores microbiológicos acima dos parâmetros de referência, revelou hoje a Autoridade Marítima Nacional.

António Almeida-Dias: “Ao contrário do ensino superior estatal, não pedimos dinheiro ao Governo”

Presidente da APESP defende que Portugal tem muito a ganhar com um ensino superior privado que usufrua da autonomia e liberdade consagradas na Constituição e que o Estado limita. O setor privado da economia já demonstrou ser o motor da inovação e do progresso, diz.

IPLeiria constrói cinco residências e renova sete num investimento de 25 milhões do PRR

Com este investimento, o Politécnico vai assegurar residências de estudantes em todas as cidades onde conta com oferta formativa, nomeadamente em Leiria, Caldas da Rainha, Peniche, Marinha Grande, Pombal e Torres Vedras.
Comentários