Falência da Thomas Cook leva ao encerramento de 500 hotéis em Espanha

Das 500 unidades hoteleiras, 100 dependiam em exclusivo da operadora de viagens britânica, enquanto nas outras 400, o volume de clientes variava entre 30% e 70%. Os destinos turísticos mais afetados são as Ilhas Canárias e Baleares, com 40%.

A falência da Thomas Cook vai provocar o encerramento de 500 hotéis em Espanha e uma dívida que poderá ascender a mais de 200 milhões de euros, segundo conta o portal espanhol “CincoDías” esta terça-feira, 1 de outubro.

“Vão ser muito mais. Só a soma de oito unidades hoteleiras atinge os 100 milhões. Acho que vai exceder e muito esse número”, afirma em entrevista ao “CincoDías”, Juan Molas, presidente da confederação espanhola de hotéis e alojamentos turísticos, que representam 15 mil estabelecimentos.

Das 500 unidades hoteleiras, 100 dependiam em exclusivo da operadora de viagens britânica, enquanto nas outras 400, o volume de clientes variava entre 30% e 70%. Os destinos turísticos mais afetados são as Ilhas Canárias e Baleares, com 40%, seguidos pela Costa del Sol, com 20%, e Catalunha e comunidade Valenciana, com 10%.

Juan Molas alerta que o verdadeiro problema surgirá a partir do dia 6 de outubro, o último dia do repatriamento dos turistas que se encontram presos em vários destinos turísticos pelo encerramento da Thomas Cook, mas também o último dia em que o seguro cobre as despesas dos passageiros deslocados pela operadora de viagêns britânica.

Para tentar controlar esta situação, Juan Molas elaborou um plano de contingência que será apresentado ao Ministro da Indústria, Comércio e Turismo, Reyes Maroto, no próximo Conselho de Turismo de Espanha, marcado para o dia 7 de outubro, com uma prioridade: resolver a ligação aérea com as Ilhas Canárias.

Relacionadas

Hoteleiros do Algarve pedem celeridade no crédito para enfrentarem prejuízos da Thomas Cook

Os empresários da hotelaria algarvios solicitaram ao Turismo de Portugal uma resposta célere para que “rapidamente sejam concedidos os créditos de tesouraria” para fazerem face aos prejuízos da falência da Thomas Cook.

Governo anuncia linha com 150 milhões de euros para empresas afetadas pela falência da Thomas Cook

As empresas afetadas pela insolvência do operador turístico Thomas Cook vão ter à disposição uma linha de apoio com um montante até 1,5 milhões de euros para financiar necessidades de tesouraria, anunciou hoje o Governo.

Thomas Cook: Madeira e Algarve com 2,25 milhões de euros para plano especial de promoção

A verba vai servir para responder “à quebra naqueles que são os dois destinos nacionais mais dependentes” da Thomas Cook.
Recomendadas

Exclusivo: Bónus milionário da CEO da TAP não é válido

O contrato assinado entre a TAP e a gestora francesa Christine Ourmières-Widener prevê um bónus que pode chegar a três milhões de euros no prazo de cinco anos, revela o documento, a que o Jornal Económico teve acesso. No entanto, o contrato não será válido, uma vez que uma das suas cláusulas prevêem que teria de ser aprovado pela Assembleia Geral da TAP SGPS, algo que nunca chegou a acontecer.

Pampilhosa da Serra assina novo contrato para assegurar transporte de passageiros

O município da Pampilhosa da Serra, no interior do distrito de Coimbra, vai pagar mensalmente mais de 15 mil euros a uma empresa para assegurar o serviço de transporte público de passageiros nas linhas que funcionam atualmente.

Martifer com contrato de 68 milhões para fazer viadutos ferroviários em Birmingham

“O fabrico da estrutura metálica será realizado maioritariamente no pólo industrial do grupo Martifer, em Oliveira de Frades, permitindo reforçar a vertente exportadora do grupo Martifer, que atualmente representa mais de 85 % do volume de negócios do segmento de estrutura metálica em Portugal”, refere a empresa.
Comentários