Falhar o combate contra o aquecimento global “não seria apenas imoral, seria suicida”, diz António Guterres

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) alertou os representantes presentes na cimeira do ambiente que se não aumentarem os esforços em relação às alterações climática, os resultados serão “não apenas imorais, mas suicidas” para o planeta.

António Guterres regressou a Katowice, na Polónia para assistir aos últimos dias da Cimeira do Clima, COP24.

O secretário-geral das Nações Unidas aproveitou a oportunidade para fazer um último apelo aos representantes, e salientou os riscos do fracasso da Cimeira do Clima pedindo aos diplomatas que se comprometam a impedir as mudanças climáticas descontroladas. A cimeira termina esta sexta-feira, 14 de dezembro.

“Este é o momento da verdade. Desafio-vos a trabalharem juntos. Perder esta oportunidade poria em causa a nossa última oportunidade para deter a mudança do clima. Não só seria imoral, como suicida”, realçou o secretário-geral das Nações Unidas.

Guterres foi acompanhado pelo primeiro-ministro das ilhas Fiji, Frank Bainimarama, num apelo aos países para que renovassem e atualizassem as suas promessas do Acordo de Paris no prazo de um ano.

Num esforço para aumentar a urgência, os Governos fijiano e polaco – os últimos dois organizadores da Cimeira do Clima Cop23 e Cop24 das Nações Unidas – divulgaram o Apelo de Talanoa , que pede aos Governos que coloquem as alterações climáticas no topo da agenda política e mudem as suas políticas imediatamente.

Ao lançar o apelo, o primeiro ministro das ilhas explicou que os Governos precisavam aumentar cinco vezes mais as suas atuais promessas climáticas nacionais para limitar o aquecimento a 1,5ºC acima do nível pré-industrial.

Recomendadas

Crise climática deve ser prioridade de todos os governos e organizações multilaterais, diz Guterres (com áudio)

O secretário-geral da ONU, António Guterres, defendeu hoje que a crise climática deve ser prioridade máxima de todos os governos e organizações multilaterais e pediu que as empresas de combustíveis fósseis sejam responsabilizadas pela destruição do planeta.

Novos satélites para prever o clima lançados a partir do final do ano

A Organização Europeia para a Exploração de Satélites Meteorológicos anunciou hoje o lançamento, no final do ano, de uma nova geração que melhorará e acelerará o envio de dados a meteorologistas de toda a Europa sobre acontecimentos climáticos graves.

Situação de seca meteorológica diminuiu significativamente até 15 de setembro

Nos primeiros 15 dias de setembro verificou-se um “desagravamento significativo” da situação de seca meteorológica em todo o território, em especial nos distritos da Guarda, Viseu e Castelo Branco, anunciou hoje o IPMA.
Comentários