Falta de confiança leva a demissão dos ministros da Saúde e Finanças britânicos

Sajid Javid e Rishi Sunak apresentaram as suas demissões ao primeiro-ministro Boris Johnson. Na base desta decisão estão as polémicas que envolveram o ex-deputado do Partido Conservador, Chris Pincher.

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson perdeu esta terça-feira, 5 de julho, dois dos seus principais ministros, depois de Sajid Javid e Rishi Sunak, ministros da Saúde e das Finanças, respetivamente terem apresentado as suas demissões.

Na base desta decisão estão as polémicas que envolveram o ex-deputado do Partido Conservador, Chris Pincher, suspenso pelo partido por ter “apalpado” dois homens. De resto, a estas duas acusações juntam-se a três outros casos em que Chris Pincher protagonizou “avanços não desejados” com outros deputados há mais de dez anos.

Sajid Javid divulgou a sua carta de demissão na rede social Twitter, onde refere que falou com Boris Johnson. “Tem sido um enorme privilégio servir nesta função, mas lamento que já não poder continuar em boa consciência. Reconheço que este pode ser o meu último trabalho ministerial, mas acredito que vale a pena lutar por estas normas e é por isso que me demito”, indica a nota.

Por sua vez, Rishi Sunak, avançou também com o pedido de demissão ao primeiro-ministro britânico, assumindo que “não podemos continuar assim”.

Recomendadas

Pelo menos 41 mortos em incêndio em igreja copta no Egipto

Pelo menos 41 pessoas morreram e outras 14 ficaram feridas num incêndio ocorrido hoje numa igreja no Cairo, informou a Igreja Copta.

União Europeia aconselha Sérvia e Kosovo a pararem retórica incendiária

A União espera que na próxima reunião, marcada para 18 de agosto, os líderes da Sérvia e do Kosovo discutam todos os temas e desafios existentes e que parem de aumentar a tensão entre ambos.

PremiumManobras militares chinesas terminaram, tensão mantém-se

Depois de uma semana com os maiores exercícios militares feitos ao largo de Taiwan, a China mantém a pressão com promessas de patrulhar a região, para evitar veleidades independentistas, e com sanções económicas.
Comentários