Falta de médicos é grave mas também o é os tempos de espera

A Associação Nacional dos Técnicos de Emergência Médica lamentou a falta de médicos especializados nas urgências hospitalares, mas diz ser mais lastimável os tempos de espera para despacho de meios para emergências.

A Associação Nacional dos Técnicos de Emergência Médica lamentou a falta de médicos especializados nas urgências hospitalares, como tem acontecido nos últimos dias, mas diz ser mais “lastimável” os tempos de espera para despacho de meios para emergências.

A falta de médicos em vários hospitais tem levado nos últimos dias ao encerramento de urgências de obstetrícia, ou a pedidos aos centros de orientação de doentes urgentes (CODU) de reencaminhamento de utentes para outros hospitais. São os CODU, do Instituto Nacional de Emergência Mécia (INEM), que recebem as chamadas do 112 relacionadas com emergências em saúde, gerindo depois os meios necessários.

Em comunicado, a ANTEM lamenta a situação atual mas alerta também para o tempo de espera para que sejam alocados meios para situações que muitas vezes podem ser “verdadeiras situações de emergência médica”.

“Não é admissível, que qualquer cidadão ligue 112 e não tenha nos tempos mínimos aceitáveis uma ambulância à sua porta, ´ficando em lista de espera´”, diz a associação no comunicado.

O problema, acrescenta, é ser os CODU a receber, e despachar, “quase todas as solicitações” no sentido “de serem minimizadas as responsabilidades do INEM”.

A ANTEM recomenda à população que em casos que se justifiquem apresente queixas junto dos tribunais competentes.

Recomendadas

Canábis: estudo revela riscos de consumo recreativo

Causa sérios riscos de hospitalização por problemas físicos e mentais, pelo que “não é tão positivo e seguro como se possa pensar”, diz o autor do estudo, professor assistente e investigador na Universidade de Toronto.

“Tudo o que falha no SNS é responsabilidade política da ministra”, diz Marta Temido

A ministra da saúde assumiu esta quarta-feira que “tudo o que falha” no Serviço Nacional de Saúde “é responsabilidade política da ministra”, pedindo desculpa por isso, mas lembrando que deve deixar melhores condições do que as que encontrou.

Novo Estatuto do SNS vai ser aprovado na próxima semana

Segundo Marta Temido, o novo estatuto do SNS tem soluções estratégicas, uma visão em termos de recursos humanos com a autonomia das contratações, com incentivos aos profissionais de saúde e com pactos de permanência.
Comentários