Família Trump poderá poupar milhões com reforma nos impostos

O ‘think tank’ Center for American Progress Action Fund alertou que a maioria dos norte-americanos não sentirão grandes alterações antes de 2025, mas que são as famílias mais ricas que vão beneficiar das mudanças.

Kevin Lamarque / Reuters

A tão aguardada reforma dos impostos prometida pelo presidente dos Estados Unidos começou esta semana a ser debatida na Câmara dos Representantes norte-americana. As mudanças incluem reduções nas taxas pagas pelas empresas e pelas famílias, mas há uma medida em especial que está a levantar questões. Segundo o Center for American Progress Action Fund (CAPAF), a família Trump poderá poupar 1,150 milhões de dólares com a revogação do imposto sobre heranças.

think tank com sede em Washington alertou que enquanto a maioria dos norte-americanos não sentirão grandes alterações antes de 2025, são as famílias mais ricas que vão beneficiar da medida.

“A Administração Trump diz que o plano de impostos está focado nas pequenas empresas e na classe média, mas cria uma nova lacuna gigante que beneficiaria insiders como Donald Trump, Betsy DeVos e Jared Kushner, enquanto deixavam de lado a grande maioria das pequenas empresas “, referiu Seth Hanlon, senior fellow da CAP Action e autor da análise.

A análise o CAPAF indica que o próprio presidente, a secretária de Estado da Educação, Betsy Devos, e o genro de Trump e conselheiro presidencial, Jared Kushner, são exemplos de milionário e bilionários que vão beneficiar com a reforma nos impostos.

A CEO do think tank, Neera Tanden, acrescentou que a reforma não é um benefício para a classe média e trabalhadora, mas sim um plano velado para ajudar a classe alta, em que Trump se inclui. “Está claro quem seria o vencedor neste plano. Mas adivinhem quem vai pagar a conta por este documento? Famílias de classe trabalhadora e média que beneficiam da educação pública e dos cuidados de saúde, além de contarem com programas como Medicare e Medicaid”, disse.

Donald Trump apresentou a 27 de setembro a proposta de reforma fiscal que tem como título Plano unificado para corrigir o nosso falido código fiscal e ficou conhecida como a maior reforma fiscal desde 1980. A proposta contempla, entre outras medidas, uma redução do IRC de 15 pontos percentuais.

O imposto pago pelas empresas passará de 35% para 20%, um valor que, ainda assim, se mantém acima dos 15% prometidos às empresas por Trump durante a campanha eleitoral. A mesma reforma pretende diminuir o número de escalões de IRS, de sete para três: 12%, 25% e 35%.

Do plano apresentado por Trump fazem ainda parte o aumento das deduções fiscais para as famílias com filhos e a criação de uma nova dedução para os adultos dependentes, como pessoas idosas ou doentes.

Se aprovada, esta deverá ser a grande iniciativa da Administração Trump depois do falhanço que acabou por se revelar a tentativa de substituir o Obamacare, que até agora está em standby, apesar de o Partido Republicano controlar o Senado e o Congresso.

Relacionadas

“Não é uma reforma, é um corte nos impostos”: o que Warren Buffet diz dos planos de Trump

O segundo homem mais rico do mundo considera que se o presidente dos EUA não conseguir que as mudanças sejam aprovadas, terá de repensar a sua atuação.

Criticada por senadores, reforma fiscal de Trump já enfrenta dificuldades

Se o Senado e o Congresso norte-americanos (ambos controlados pelo Partido Republicano) aderirem às críticas, o presidente dos EUA poderá ter mais uma derrota em mudar leis.

Maior reforma fiscal desde 1980: Trump propõe descida geral de impostos nos EUA

Donald Trump apresentou hoje uma proposta de reforma fiscal que inclui uma descida do IRC em 15 pontos percentuais (de 35% para 20%), o fim do imposto de sucessão e ainda uma redução do número de escalões no IRS, que passará a três.

Número 2 da Casa Branca pressiona Trump a carregar nos impostos sobre os mais ricos

Steve Bannon defende uma nova taxa de imposto marginal máxima de 44% sobre as famílias mais abastadas. Atualmente a taxa máxima de impostos fixa-se nos 39,6%, o que faz desta proposta o valor mais alto dos últimos trinta anos.
Recomendadas

Presidente de Taiwan falha estratégia de usar a China como ameaça

Tsai Ing-wen renunciou ao cargo de líder do Partido Democrático Progressista depois de a sua estratégia de enquadrar as eleições locais como uma demonstração de desafio à China não ter conquistado o eleitorado.

NATO Industrial Advisory reúne com a indústria da defesa em Gaia

Órgão consultivo e de assessoria de alto-nível que atua como foco e porta-voz das indústrias e das associações nacionais de defesa e segurança junto da NATO, reúne de 28 a 30 de novembro com 51 entidades de 25 países.

Obiang reeleito Presidente da Guiné Equatorial com 94,9% dos votos

O presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang, ganhou as eleições presidenciais com 94,9%, anunciou a Junta Eleitoral Nacional, pelo que avança para o sexto mandato de sete anos. A oposição queixa-se de fraude generalizada.
Comentários