Famílias aliciadas a contratar dois créditos em simultâneo

A edição do semanário o NOVO que este Sábado chega às bancas denuncia o problema e adianta que o Banco de Portugal admite vir a “adoptar medidas adicionais” se o problema se generalizar.

“Bancos aliciam famílias com créditos ilegais” – titula o semanário o NOVO que este Sábado chega às bancas. O problema foi denunciado por várias famílias ao jornal, segundo o qual a Associação Portuguesa de Defesa do Consumidor (DECO) admite estar já a receber pedidos de ajuda dessas pessoas.

O Banco de Portugal não esclarece, mas reconhece a existência destes casos e admite vir a adoptar “medidas adicionais” se a prática se generalizar, adianta o jornal.

As famílias terão sido aliciadas a contratar créditos ao consumo em simultâneo com crédito habitação, de forma a contornar os limites de financiamento impostos pelo Banco de Portugal desde 2018. A escalada das taxas de juro irá aumentar os créditos à habitação, ao mesmo tempo que terão de continuar a assegurar o pagamento dos créditos pessoais, com taxas de juro fixas mas muito mais elevadas.

Recomendadas

Crédito à habitação. Governo suspende comissão de amortização antecipada em 2023

O Governo afasta, contudo, um regresso das moratórias no crédito da casa. Uma medida que iria “criar uma ilusão às pessoas de que podemos acabar com o aumento das taxas de juro”, disse o secretário de Estado do Tesouro.

XTB não antevê eclosão de outra crise financeira global com a situação do Credit Suisse

“Na situação atual, a eclosão de outra crise financeira global como consequência do potencial colapso deste banco parece improvável, mas mesmo assim as consequências locais e a curto prazo do futuro questionável do Credit Suisse devem ser tidas em conta”, concluem os analistas da corretora.

Fidelidade reforça posição na seguradora peruana La Positiva para 93,9%

Na sequência de uma OPA, a Fidelidade passou a controlar 93,9% da seguradora e para isso faz um investimento de 396,3 milhões de soles, o equivalente a cerca de 101,2 milhões de euros.
Comentários