Farfetch lança aceleradora para startups de moda e tecnologia

O unicórnio com “dupla nacionalidade” apresentou esta sexta-feira a nova plataforma de apoio a microempresas, cujos parceiros são a Burberry e o fundo de ‘venture capital’ 500 Startups.

Farfetch

A Farfetch apresentou esta sexta-feira o programa Dream Assembly, a nova aceleradora para startups na área da moda e tecnologia. “Queremos que venham construir o futuro do retalho e o futuro da moda connosco”, disse o CEO, José Neves, à margem da inauguração do novo mecanismo de apoio. “Ainda estamos no início de uma grande jornada, mas queremos que o know-how seja partilhado para que todo o ecossistema de startups possa beneficiar com isso”, acrescentou.

A marca de artigos de luxo Burberry e o fundo de venture capital 500 Startups serão os primeiros parceiros, encarregues de prestar mentoria às microempresas que se pretendam juntar ao programa de aceleração.

José Neves salientou, no seu discurso na sede de Lisboa, que a Farfetch é “uma empresa que conecta os maiores criadores de moda”. “Fiz sete rondas de investimento e conheci todos os tipos de investidores no mundo, uns que valia a pena conhecer, outros que nem tanto”, brincou o diretor-executivo do unicórnio de “dupla nacionalidade” – luso-britânico -, como define a empresa.

Constituída por 1.800 designers, vários deles presentes em lojas físicas, a Farfetch está a funcionar em 190 países e tem 12 escritórios. “Acreditamos que o sonho é que faz mover uma empresa”, referiu José Neves, que reforçou a ideia de que o seu negócio é uma “revolução dos cravos”.

A Dream Assembly irá funcionar a partir do escritório da capital e terá workshops, sessões de networking, encontros com mentores das áreas de operações, logística, marketing, moda, entre outras. As startups participantes poderão estar durante 12 semanas a arrecadar conhecimento. A 500 Startups dará inclusive oportunidade a empresas de voarem até São Francisco, nos Estados Unidos da América.

“Queremos que esses novos empreendedores que irão inventar futuras Farfetch, ou melhores, beneficiem de tudo o que construímos”, frisou o porta-voz da empresa. Remetendo para a história, lembrou à audiência que teve a ideia de negócio em 2007 e que lançou a empresa logo no ano seguinte, em 2008. Agora, a operar há uma década, José Neves não tem dúvidas de que: “Ao longo dos anos fomos crescendo (…). Temos a melhor equipa do mundo”.

Durante o lançamento da aceleradora tecnológica, Cipriano Sousa, Chief Technology Officer confessou: “Ao início, nos primeiros dias, foi assustador. Estava em pânico. Como é que eu iria traduzir a visão do José em tecnologia?”. Já Stephanie Phair, Chief Strategy Officer, interveio no evento com os olhos no futuro: “A inovação sempre esteve presente no ADN da Farfetch desde o início, mas tornou-se importante focar-nos numa estratégia além da inovação e transferir conhecimento”.

Relacionadas

António Costa: “Para alimentar o ciclo de inovação não basta ter Web Summit todos os anos”

O primeiro ministro discursou na apresentação da nova aceleradora tecnológica da Farfetch, que também contou com a presença do ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, e da secretária de Estado da Indústria, Ana Teresa Lehmann.
Recomendadas

Inflação pode retirar competitividade às empresas portuguesas

Responsável da Fundação AIP considera que os custos nos transportes, aliados ao atual quadro político poderá levar a que esta não seja a melhor altura para o sector empresarial se expandir para os mercados mais longínquos. Investir na vertente digital é outro dos desafios.

Bancos sujeitos a coimas até 1,5 milhões se não aplicarem diploma do Governo para crédito à habitação

Está já em vigor, a partir deste sábado, o diploma que estabelece medidas destinadas a mitigar os efeitos do incremento dos indexantes de referência de contratos de crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente. Bancos têm 45 dias a partir de hoje para aplicar as medidas.

Ministra da Justiça diz que é preciso melhorar condições dos processos de recuperação de empresas

“A melhoria das condições de processos de recuperação [de empresas], sobretudo em períodos de insolvência e de dúvida, como o que atravessamos, é um desafio, mas um desafio que temos de concretizar”, afirmou Catarina Sarmento e Castro.
Comentários