Fast forward, pause, rewind. O filme de Powell na Fed procura novo momento de pausa

Após três cortes sucessivos, o banco central dos Estados Unidos deverá manter a taxa de juro diretora inalterada. O foco deverá estar, portanto, na conferência de imprensa do ‘chairman’ Jerome Powell e nas pistas da Fed quanto ao rumo da política monetária em 2020.

Num bom guião, há momentos de ação, suspense, surpresa e pausa. Na história do protagonista Jerome Powell à frente da Reserva Federal (desde fevereiro de 2018), o primeiro ano foi de ação esperada, de um fast forward da federal funds rate em direção ao terreno natural, com quatro subidas.

No entanto, a escalada da guerra comercial forneceu um plot twist e o banco central foi obrigado primeiro a fazer uma pausa e depois uma espécie de rewind para a situação anormal, com cortes de 25 pontos base em cada uma das últimas três reuniões desenhados para proteger a economia dos riscos tectónicos criados pelo conflito aduaneiro com a China.

Agora, segundo a esmagadora maioria dos analistas, chegou a altura de fazer nova pausa e o Federal Open Market Committee (FMOC) deverá terminar a reunião de dois dias esta quarta-feira com o anúncio que irá manter a taxa de juro no intervalo de 1,50% a 1,75%.

Não são só os analistas, os operadores do mercado também concordam. Segundo o CME FedWatch Tool, que monitoriza a negociação dos futuros da taxa de juro, a probabilidade de uma manutenção da taxa de juro no nível atual é de 97,8%.

“Na última reunião, em outubro, quando fez o terceiro corte seguido, a Fed sinalizou que irá provavelmente pausar agora para analisar o impacto dessas medidas”, referiu Rhys Herbert, economista sénior do Lloyds Bank, recordando ainda que desde essa reunião vários membros do FOMC já reiteraram a mensagem.

Segundo James Knightley, economista-chefe internacional no banco de investimento ING, os dados divulgados sexta-feira passada sobre o emprego nos setores não-agrícolas “foram especialmente fortes”, com a criação de 266 mil postos de trabalho (o maior aumento em 10 meses), vieram apenas reforçar a probabilidade de a Fed manter a posição inalterada.

“Olhando para os últimos quatro meses, temos de reconhecer que os decisores fizeram um óptimo trabalho para acalmar o que a certa altura era um ambiente muito febril”, salientou.

Mapa de pontos indica o caminho

Em contraste, a cena do guião da reunião que termina esta quarta-feira deverá provocar pouco suspense. “No que deverá ser um anúncio bastante aborrecido, o ponto de interesse poderá ser o novo dot plot“, explicou Rhys Herbert, do Lloyds.

Esse gráfico, ou mapa de pontos, mostra as previsões das taxas de juros feitas pelos membros do Comité e deverá ajudar a ter uma ideia sobre onde a federal funds rate irá estar no final de 2020. A maioria dos analistas prevê um ou dois cortes no próximo ano.

Herbert referiu que o mercado prevê que as primeiras duas reuniões deverão ser de manutenção da taxa de juro, com o primeiro corte a surgir na primavera. “De forma geral, o mercado acredita que a Fed está em modo de pausa por agora, mas que essa pausa será temporária e que terá a prazo de cortar de novo”, explicou, adiantando que essa posição poderá mudar se os Estados Unidos e a China chegarem a uma trégua na guerra comercial”.

Os analistas BiG – Banco de Investimento Global acreditam, no entanto, que há uma grande probabilidade de a Fed manter a taxa de juro no intervalo atual durante 2020. “O que suporta esta crença é o facto de a economia americana continuar a mostrar resiliência, muito por parte do setor dos serviços, com uma taxa de desemprego a níveis de pleno emprego e com tendência para continuar a diminuir , o que poderá criar inflação”.

O dot plot será baseado em novas projeções económicas que também serão divulgadas esta quarta-feira. Não se esperam grandes alterações, também a este nível, com o ING a prever que a Fed mantenha as projeções de crescimento divulgadas em setembro, ou seja, de expansões de 2,2% este ano, 2% em 2020, 1,9% em 2021 e 1,8% em 2022.

Recomendadas

PRR: Inspeção-Geral de Finanças já deu parecer positivo a pagamento da 2.ª tranche

A Inspeção-Geral das Finanças (IGF) deu parecer positivo ao pagamento da segunda tranche do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), no valor de cerca de dois mil milhões de euros, seguindo agora o pedido de Portugal para Bruxelas.

Pais com “maior dificuldade” em pagar as despesas escolares dos filhos, alerta Deco

Estudo da Deco Proteste revela que os pais estão com maior dificuldade em pagar as despesas escolares dos filhos este ano. Mais de metade dos agregados familiares afirmam estar com mais dificuldades em fazer face aos custos com a escola dos filhos. E 42% conseguem pagar a maioria das despesas, mas não todas. Já quase três em cada dez confessam ser impossível enfrentar alguns gastos.

“Guerra fiscal” em Espanha provoca descida de impostos e nova taxa sobre fortunas

Espanha assiste estes dias a uma “guerra fiscal”, com governos regionais a anunciarem descidas e abolições de impostos a que o executivo nacional vai responder com um “pacote fiscal” que cria um imposto temporário sobre grandes fortunas.
Comentários